segunda-feira, 28 de maio de 2018

TERMOGRAFIA AUXILIA DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE LESÕES ESPORTIVAS



TERMOGRAFIA AUXILIA DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE LESÕES ESPORTIVAS
Tecnologia de ponta identifica processos inflamatórios que podem ainda não ter se manifestado e permite diagnóstico preciso do quadro do atleta


No mundo do esporte, é comum nos depararmos com novas tecnologias para o tratamento, diagnóstico ou prevenção de lesões musculares. Também em Belo Horizonte, um recurso inovador tem sido utilizado em atletas e amadores, assim como em praticantes de atividades físicas intensas. Trata-se da termografia, que registra a atividade metabólica e a função vasomotora dos tecidos em imagens 3D, de alta resolução, e em tempo real.

Por meio da tecnologia, é possível verificar possíveis lesões ainda assintomáticas, auxiliando na prevenção e na orientação física correta. “As lesões musculoesqueléticas inflamatórioas aumentam o calor na região afetada. Como a termografia identifica alterações mínimas de temperatura, é possível fornecer um diagnóstico preciso e rápido ao paciente e assim atuar preventivamente”, explica a fisioterapeuta Magda Rocha, uma das poucas profissionais de Belo Horizonte com formação completa na técnica.

A especialista faz a avaliação da performance de atletas, acompanha as respostas terapêuticas de disfunções em fase de tratamento, e ainda emite laudos para profissionais que ainda não estão capacitados para usarem a Termografia. Entre os benefícios do exame, destacam a precisão do diagnóstico, o fato de ser rápido (dura aproximadamente 30 minutos entre o preparo e a filmagem), indolor, seguro e sem qualquer efeito colateral.  

Cirurgia bariátrica pode causar pedra na vesícula



36% dos pacientes desenvolvem o problema até o sexto mês do pós-operatório e cerca de 59% são assintomáticos

São Paulo, maio de 2018 - A cirurgia bariátrica traz muitos benefícios para quem deseja e precisa perder peso. Porém, existem grandes chances do paciente desenvolver cálculos biliares, a também chamada Colelitíase pós-cirurgia bariátrica, que se formam na vesícula. “Isso ocorre em 36% dos casos, geralmente após seis meses da cirurgia e é ocasionado pela rápida perda de peso ou por dietas com baixa caloria”, alerta Dr. Luiz Vicente Berti, cirurgião bariátrico.

Segundo o médico, na maioria dos casos, quando os cálculos trazem sintomas, o paciente já está com quadro de inflamação da vesícula, por isso a cirurgia é a maneira mais eficiente de acabar com o problema. Além disso, algumas vezes, o problema pode ser assintomático, os principais sintomas são dores intensas do lado direito do abdome, náuseas e vômitos.

Dr. Berti alerta para a prevenção do cálculo biliar para quem deseja realizar a cirurgia bariátrica. “É importante conversar com o médico sobre o tratamento através do uso de algum medicamento específico, que pode evitar a necessidade de uma cirurgia”, finaliza.

Colangite biliar primária atinge muitas mulheres de 35 a 65 anos, mas é pouco diagnosticada





Sintomas levam pacientes a procurar psiquiatras, dermatologistas ou ginecologistas e patologia não é diagnosticada corretamente podendo levar ao transplante de fígado

Uma doença no fígado pouco conhecida, que geralmente afeta mulheres entre 35 e 65 anos, pode levar a sérias complicações se não diagnosticada a tempo.  Esta doença gera fibrose (cicatrizes no fígado) e pode chegar até cirrose hepática necessitando o transplante. Estamos falando da Colangite Biliar Primária (CBP), uma doença hepática autoimune caracterizada por destruição progressiva dos pequenos canais biliares presentes no fígado.
“A falta do diagnóstico ou a demora para o tratamento da Colangite Biliar Primária pode ocasionar sérias lesões no fígado, fazendo com que o órgão perca sua função e caminhe para a falência completa. Esse processo leva, em média, um período de mais de uma década”, explica Dr. Raymundo Paraná, médico hepatologista, Professor Titular da Universidade Federal da Bahia, ex-presidente da Sociedade Brasileira de Hepatologia (SBH) e presidente eleito da Associação Latino Americana para o estudo do Figado - ALEH.

A CBP tem sintomas muito comuns a outras doenças. Inicialmente, pode se expressar como fadiga crônica, algumas vezes confundida com depressão.  Com a evolução, pode aparecer coceira no corpo, principalmente na palma das mãos e planta dos pés.  Como os sintomas não são específicos, muitas vezes o paciente procura diversos médicos, mas o diagnóstico não é realizado tempestivamente. “A fadiga, que é a manifestação mais comum e mais precoce, ocorre em 80% dos pacientes, prejudicando a qualidade de vida e interferindo nas atividades diárias. Já a coceira é o segundo sintoma que mais ocorre, afetando 20% a 70% dos pacientes”, explica o especialista.
Os pacientes podem ainda apresentar ainda depósitos de colesterol na pele e ao redor dos olhos (xantomas e xantelasmas), assim como enfraquecimento dos ossos (osteopenia e osteoporose).

Para detectar corretamente a doença, é necessário que o paciente, especialmente mulheres, realize dois exames de sangue específicos, mas bastante simples: níveis séricos da fosfatase alcalina e a Gama Glutamil Transferase. Estes exames alterados sugerem dificuldade do fluxo da bile.

Quando o médico suspeita de um processo biliar, pode obter ajuda ou referenciar a um hepatologista (especialista em doenças do figado).  Exames como ultrassom, colangioressonância ajudam a afastar outras doenças biliares, enquanto que o anticorpo antimitocondria positivo, praticamente, confirma o diagnóstico de CBP.

“O diagnóstico da doença nas fases iniciais é determinante para um melhor prognóstico, pois permite tratamento medicamentoso da doença e das suas complicações. Por isso é muito importante ficar atento aos sintomas e principalmente mulheres na faixa etária indicada”, finaliza.

Alimentação é fundamental para prevenir casos de câncer



Alimentação é fundamental para prevenir casos de câncer
País deve registrar 600 mil casos até 2019; nutricionista sugere aumentar o consumo de frutas e verduras, de preferência orgânicos, e evitar carboidratos e carnes

Entre os anos de 2018 e 2019, o Brasil deve registrar nada menos que 600 mil novos casos de câncer. A projeção é do Instituto Nacional de Câncer José de Alencar Gomes da Silva (Inca) e integra a pesquisa “Estimativa 2018 de Incidência de Câncer no Brasil”. O câncer de pele é o tipo mais frequente (165 mil), seguido pelo câncer de próstata (68 mil), para homens, e de mama (59 mil), para as mulheres. Terão grande incidência também o câncer de intestino (19 mil), pulmão (18 mil), intestino (17 mil) e o de colo de útero (16 mil).
O perfil dos afetados, bem como a distribuição da doença no país, varia. Nas regiões Sul e Sudeste, por exemplo, são mais frequentes os tumores de intestino. Já no Nordeste e Norte, os homens sofrem mais com o câncer de estômago e as mulheres, com o de colo de útero. As causas do câncer também são diversas e, muitas vezes, relacionadas à genética. Mas vem crescendo, nos últimos tempos, estudos que mostram a ligação entre seu aparecimento e a qualidade da alimentação dos afetados.
Estas pesquisas tiveram início nos anos 1980, com os britânicos Richard Doll e Richard Peto, que mostraram que cerca de 30% das ocorrências da doença em todo o mundo estariam relacionadas a dietas inadequadas.

Consumir frutas e verduras é fundamental
Os fitoquímicos, compostos vegetais que têm efeito benéfico na saúde ou papel ativo na melhora do estado de pessoas com enfermidades, desempenham um papel fundamental nesta dieta preventiva. Eles podem ser obtidos na forma de chás, café, verduras e frutas, de preferência com casca.
“O consumo diário de três porções de cada um destes alimentos, de preferência orgânicos, é interessante. Até mesmo se estiverem com aparência e tamanhos não muito atrativos, já que mais fitoquímicos são produzidos quando os vegetais sofrem ‘agressões’, como alta exposição ao frio, aos raios solares e a pragas”, explica o nutricionista Bernardo Starling.
Ele lembra ainda que, para fumantes, o uso dos fitoquímicos deve ser maior. “Para estas pessoas, a ingestão diária de frutas é ainda mais importante. Além disto, na maioria das vezes, consomem grande quantidade de café e bebidas quentes, o que pode potencializar o câncer de esôfago. Porém, o café se mostra protetor em várias outras situações, por isso é fundamental observar este consumo”, alerta.

Coma fibras
A ingestão de fibras se apresenta como um dos principais fatores na prevenção dos canceres do trato gastrointestinal e o consumo, de acordo com o nutricionista, deve ser próximo a 25g/dia.

Evite o açúcar
Além de aumentar a ingestão de gengibre, própolis, mel e suco com vegetais, o especialista sugere evitar o açúcar nas bebidas quentes, já que ele pode prejudicar a ação dos fitoquímicos se adicionado às mesmas, pela modificação da estrutura molecular destas substâncias.
O consumo de açúcar (forma de carboidrato) no dia a dia também deve ser observado. “Este tem aumentado drasticamente desde o surgimento do plantio de cana, saindo de dois quilos anuais per capita para 25 quilos. Assim, a ingestão de carboidratos, como a de gordura saturada, deve ser limitada durante o dia a dia. Quando buscamos usar alimentos naturais e na forma in natura, como as frutas, legumes e cereais, iremos conseguir ter todos benefícios, consumir fitoquímicos, pouco carboidrato e pouca gordura saturada”, orienta o profissional.

Controle o consumo de carne
Bernardo Starling reforça que o consumo de carne deve ser consciente. “Carnes com "casquinhas" ou crostas apresentam substâncias classificadas como hidrocarbonetos policíclicos e aminas heterocíclicas, que se dão a partir de reações potencializadas pelo calor. Elas realmente apresentam um potencial carcinogênico alto e por isto devem ser ingeridos com moderação”, indica.

Tuberculose conheça melhor e oriente sua família e comunidade. Em 1998 em São Paulo mais de 18 mil casos

Conheça melhor a Tuberculose e faça a prevenção em sua casa, na sua comunidade:

 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS

 — TUBERCULOSE PERGUNTAS E RESPOSTAS 30 questões para entender e atuar no atendimento de tuberculose nos Serviços de Saúde Material destinado a treinamento de pessoal auxiliar. Índice de perguntas.

O PROBLEMA DA TUBERCULOSE 1. O que é tuberculose? 2. A tuberculose ainda é um problema? 3. Como está a tuberculose em nosso meio? 4. A tuberculose é grave?

CONTÁGIO. A DEFESA. O ADOECIMENTO 5. Como a tuberculose passa de uma pessoa para outra? 6. Quem transmite e quem não transmite a tuberculose? 7. Quem está mais arriscado a contrair tuberculose? 8. O que é mais provável: resistir ou adoecer? 9. Como o organismo se defende da tuberculose?
DIAGNÓSTICO 10. Como se faz a suspeita de tuberculose?
5 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS
 — TUBERCULOSE 11. Quais são os exames para o diagnóstico ? 12. Em que consistem a baciloscopia de escarro e a cultura? 13. Qual a utilidade do exame de Raios X de Tórax? 14. Para que serve o teste de PPD? 15. Onde procurar o doente de tuberculose?

TRATAMENTO 16. Como é o tratamento e o que é DOTS? 17. Quais são os medicamentos utilizados? 18. É necessário algum cuidado especial? 19. O que deve ser feito na 1ª consulta? 20. Como fazer o controle do tratamento na Unidade de Saúde ? 21. O que é doente faltoso? 22. O que fazer com o doente faltoso? 23. Como melhorar a adesão ao tratamento? 24. Quais são os cuidados com a família do doente?

PREVENÇÃO 25. Pode-se prevenir a tuberculose? 26. O que é vacina BCG? 27. Em que consiste a quimioprofilaxia?

PROGRAMA DE CONTROLE E SEU IMPACTO 28.
Como melhorar o controle da tuberculose em sua Unidade de Saúde? 29. Para que servem as notificações? 30. Qual é o impacto do Programa de Controle da Tuberculose?

 6 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE 1. O QUE É A TUBERCULOSE? A tuberculose (TB) é uma doença infecciosa que atinge principalmente os pulmões. Ela existe desde a antigüidade e até em múmias do antigo Egito foram encontradas lesões características da TB. Mas só em 1882 o médico alemão Robert Koch conseguiu identificar o tipo de micróbio que causa esta doença. O micróbio responsável pela tuberculose é uma bactéria em forma de pequenos bastões. Seu nome científico é Mycobacterium tuberculosis, mas popularmente, é conhecida e chamada de Bacilo de Koch (B.K.), em homenagem ao seu descobridor. Na maioria dos casos, as lesões da TB se localizam nos pulmões, mas a doença também pode ocorrer nos gânglios, rins, ossos, meninges ou outros locais do organismo.

7 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE 2. A TUBERCULOSE AINDA É UM PROBLEMA?

Antigamente a TB era considerada quase uma condenação na vida de uma pessoa. Grande parte dos que contraíam a doença morria, porque não existia tratamento eficaz. Quando o doente morria, muitas vezes eram queimadas todas as suas roupas, objetos e até colchões, pelo medo do contágio. Dizia-se também que a TB era um castigo, porque freqüentemente atingia pessoas que não se alimentavam bem e se enfraqueciam devido a uma vida “desregrada” e “muita bebida”. Criaram-se então tabus a respeito da doença, o que ainda hoje dificulta o seu combate. Hoje em dia já se sabe que a TB é curável, desde que o doente faça o tratamento correto. No entanto, apesar de existirem meios de prevenção, de diagnóstico e tratamento eficazes, ainda morrem cerca de 3 milhões de pessoas por ano no mundo. Mas a distribuição da doença não é igual em todos os lugares. A grande maioria desses casos acontecem nos países mais pobres. Desnutrição, más condições de habitação e de vida em geral, são fatores que facilitam o contágio e favorecem o adoecimento. Por outro lado, nesses países é freqüente haver dificuldades para se fazer o

8 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE diagnóstico e o tratamento dos doentes. Tudo isso explica
 porque nos países desenvolvidos é cada vez mais raro acontecer um caso de TB, enquanto na África, América Latina e boa parte da Ásia, a doença está longe de ser controlada. 3. COMO ESTÁ A

TUBERCULOSE EM NOSSO MEIO? No Brasil, são notificados anualmente cerca de 80 mil casos de TB. Quase um quinto desses casos ocorrem no Estado de São Paulo. Em 1998, por exemplo, tivemos em São Paulo 18.975 casos notificados. Estima-se que mais ou menos 20% dos doentes não são descobertos pelo Sistema de Saúde e continuam sem tratamento, espalhando a doen- ça pela população. Por outro lado, muitos daqueles que iniciam o tratamento não completam, permanecendo também como fontes de infecção na comunidade. É preciso reverter essa situação. Melhorando a organiza- ção dos serviços de saúde, os casos que estão passando desapercebidos podem ser descobertos e conduzidos com segurança até a cura. Para isso, é importante a participa- ção de todos os funcionários da área de saúde.

9 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE 4. TUBERCULOSE É GRAVE? Se uma pessoa com TB não se tratar adequadamente a sua probabilidade de morrer é grande. Isto foi constatado em uma pesquisa realizada na Índia (na década de 60) onde foi feito um amplo trabalho de procura de casos de TB. Porém, por uma série de razões, esses doentes não foram tratados. Dois anos depois, procurou-se saber como estavam eles : dos 121 doentes bacilíferos que existiam inicialmente, 1/4 havia se curado espontaneamente, 1/4 estava ainda doente (crônicos) e metade havia morrido no decorrer desses 2 anos. Essa pesquisa está de acordo com as observações feitas na época em que ainda não tinham sido descobertos os medicamentos contra a TB, quando se sabia que cerca de metade dos doentes morria em pouco tempo.

10 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE 5. COMO A TUBERCULOSE PASSA DE UMA PESSOA PARA OUTRA?

A pessoa que tem TB no pulmão pode passá-la para outras pessoas pela tosse, pela fala ou pelo espirro. Quando o doente tosse, fala ou espirra ele espalha no ar minúsculas gotas com o micróbio da TB. Essas gotículas podem chegar aos pulmões das outras pessoas pela respiração. É assim que acontece o contágio, isto é, o micróbio da TB penetra no organismo das pessoas. Isso não quer dizer que todas as pessoas que estão contagiadas vão adoecer. Na maior parte das vezes o organismo resiste e a pessoa não fica doente. Às vezes, mesmo que o organismo resista no momento, o micróbio fica “guardado” e a pessoa pode adoecer anos mais tarde, se estiver enfraquecida ou desgastada pelo cansaço físico, pelo alcoolismo ou por outras doenças, como AIDS, diabetes, etc. As gotas maiores, que se depositam no chão ou sobre os objetos, não oferecem perigo. Isso porque elas não conseguem atingir a parte mais profunda dos pulmões (os alvéolos). Caso essas gotas caiam no chão ou nos objetos, como pratos ou copos, os bacilos poderão ser, no máximo,

11 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE ingeridos pelos indivíduo sadio, mas dificilmente os bacilos conseguem vencer as barreiras do sistema digestivo humano. Já as gotículas menores, contendo no seu interior o bacilo de Koch, têm maior chance de chegar aos alvéolos pulmonares. Lá chegando, o bacilo encontra condições propícias para se instalar e se multiplicar. Portanto, na imensa maioria das vezes, o contágio se faz pela via respiratória.

12 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE 6. QUEM TRANSMITE E QUEM NÃO TRANSMITE A TUBERCULOSE? Doentes que podem transmitir a TB: - Doentes com TB no pulmão em cujo exame direto de escarro são encontrados os bacilos de Koch (doentes bacilíferos) são as fontes de contágio da tuberculose. Doentes que não transmitem a TB: - Quem tem TB no pulmão sem ser bacilífero, isto é, se o exame de baciloscopia de escarro é negativo, tem chance quase nula de contagiar outras pessoas. - Quem tem TB em outras partes do corpo não transmite a doença, porque não elimina bacilos de Koch pela tosse. A possibilidade de contágio por outras vias, que não respiratória, é extremamente rara. - Crianças pequenas, mesmo tendo TB no pulmão, não eliminam bacilos pela tosse devido às características das lesões da TB infantil. 13

CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE - Doentes de TB que já estão em tratamento não oferecem perigo de contágio. Depois dos primeiros quinze dias de tratamento os bacilos já estão fracos e não contagiam outras pessoas, desde que o doente esteja tomando os medicamentos adequados. ATENÇÃO: É freqüente perguntarem se a pessoa infectada pelo BK, mesmo que não esteja doente, pode transmitir a TB. Evidentemente que não, tendo em vista que para haver o contágio é preciso que haja lesões de tuberculose (doença) das quais os bacilos sejam eliminados para o ar. Também não há perigo em se levar bacilos nas roupas após o contato com doentes, vistos que são necessárias grandes quantidades de bacilos em suspensão no ar para haver risco de transmissão da TB.

14 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE

7. QUEM ESTÁ MAIS ARRISCADO A CONTRAIR A TUBERCULOSE? A maior fonte de transmissão da infecção tuberculose é o doente com TB no pulmão, que elimina muitos bacilos pela tosse (doente bacilífero). Assim sendo as pessoas que convivem com ele, principalmente na mesma residência, constituem o grupo de maior risco de ser infectado. O risco de adoecer é maior nos dois primeiros anos após o contágio. Das pessoas que forem infectadas, o risco de adoecer é maior nas crianças, especialmente os bebês. É por isso que se dá ênfase ao controle dos contactantes domiciliares dos doentes bacilíferos, com especial atenção às crianças pequenas. Aqueles que têm alguma deficiência do sistema de defesa do organismo também apresentam maior risco de adoecerem.

15 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE 8. O QUE É MAIS PROVÁVEL, RESISTIR OU ADOECER? Cerca de 90% das pessoas, mesmo tendo sido infectadas nunca vêm a adoecer. Ainda não se sabe por que algumas pessoas resistem à doença e outras não. No entanto é sabido que, em situações de imunodepressão, o risco de uma pessoa infectada pelo BK desenvolver tuberculose doença é maior. Os portadores do HIV que são infectados pela TB, por exemplo, têm um risco de adoecimento de tuberculose cerca de dezenas de vezes maior que as outras pessoas.

9. COMO O ORGANISMO SE DEFENDE DA TUBERCULOSE? Quando o organismo entra em contato com o bacilo da tuberculose pela primeira vez, ele custa a se aperceber do perigo que o bacilo apresenta. Ao contrário das outras bactérias, que logo de imediato provocam uma inflamação no local em que penetram, o bacilo de Koch começa a se multiplicar sem “irritar” os alvéolos pulmonares, onde costuma se instalar. Com o passar dos dias, começa a haver então a mobilização das defesas do indivíduo. Somente depois de duas semanas mais ou menos, é que o organismo está 16 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE plenamente capacitado a reconhecer o bacilo de Koch como invasor e reagir contra ele. Essa reação é realizada por células sanguíneas que têm a capacidade de englobar os bacilos e destrui-los ou, pelo menos, impedir que eles continuem se multiplicando. Dependendo da quantidade de bacilo e de sua “força” (a capacidade de agressão dos micróbios, que é chamada virulência), bem como dependendo da capacidade do organismo mobilizar suas células de defesa, podem acontecer duas coisas: a) O organismo consegue se defender e bloquear os bacilos. Nesse caso, dizemos que o indivíduo não é mais virgem da infecção ele é um infectado, mas não adoeceu. b) O organismo não consegue bloquear a infecção, e ela progride para um estado de doença tuberculose.

10. COMO SE FAZ A SUSPEITA DE TUBERCULOSE? O sinal mais freqüente da TB no adulto é a tosse. Toda pessoa que apresente tosse persistente, que dure mais de 3 semanas (Sintomático respiratório), deve ser encaminhada ao médico para pesquisa de TB.

17 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE O médico provavelmente pedirá exame de escarro e outros exames que forem necessários. É pelo exame de escarro que se comprova se o indivíduo tem TB no pulmão e se ele pode transmitir a doença aos outros. Além da tosse, o doente pode apresentar: febre, emagrecimento, fraqueza, perda de apetite, suores noturnos, dores no peito e nas costas. Pode aparecer também escarro com sangue. O sangramento pode ser intenso, por rompimento de vasos sangüíneos devido às lesões no pulmão (hemoptise). O doente pode apresentar todos esses sintomas, mas pode também ter somente uma tosse que às vezes até passa desapercebida. Muitas vezes as pessoas pensam que sua tosse é “comum”, porque são fumantes, ou que é uma bronquite ou gripe mal curada, e não dão importância. Enquanto isso podem estar espalhando a TB. Cerca de dez por cento dos casos, a TB ocorre em outros órgãos, fora do pulmão. Os sintomas então variam conforme o órgão atingido e a intensidade das lesões, mas em geral o doente apresenta também febre, fraqueza e emagrecimento.

18 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE Como os doentes que transmitem a TB são aqueles que apresentam a doença no pulmão e eliminam grande quantidade de bacilos pela tosse e escarro, a atenção dos profissionais de saúde deve se concentrar em detectar a TB entre as pessoas que têm tosse persistente. É preciso estar alerta para providenciar o exame de escarro para todos os indivíduos que têm tosse há 3 semanas ou mais. ‘

PRINCIPAIS SINAIS DE TUBERCULOSE PULMONAR: * Tosse persistente. * Febre vespertina. * Suores noturnos. * Falta de apetite. * Perda de peso. * Fraqueza. * Dor no tórax. * Escarro com sangue.

11. QUAIS SÃO OS EXAMES PARA O DIAGNÓSTICO DA TUBERCULOSE? Se há suspeita de tuberculose, podem ser feitos os seguintes exames: a) Baciloscopia do escarro (também chamada de BAAR, isto é, bacilos álcool-ácido resistentes).

19 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE b) Cultura de escarro. c) Raio X de tórax. d) Teste tuberculínico com PPD. e) Outros exames, conforme o caso e a localização da doença (por exemplo: biópsia de gânglio, punçãobiópsia pleural, exame do líquor, etc.).

12. EM  QUE CONSISTE A BACILOSCOPIA E A CULTURA DE ESCARRO? A baciloscopia é o exame direto do escarro do doente ao microscópio, corado pelo método de Ziehl-Nielsen, na tentativa de visualizar a presença do bacilo de Koch.Quando o doente tem muitos bacilos no escarro, a ponto de que eles sejam encontrados pela baciloscopia direta, ele é chamado doente bacilífero. Os doentes bacilíferos são a maior fonte de transmissão da doença na comunidade, por isso esse exame é o mais importante para o Programa de Controle da Tuberculose. O resultado é dado em cruzes (+++,++,+ ou negativo) conforme a quantidade de bacilos encontrados.

 20 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE A cultura do escarro é um exame indicado para os doentes que continuam com sintomas respiratórios, apesar de duas baciloscopias diretas de escarro serem negativas. Isso porque pode haver poucos bacilos no escarro e eles não serão detectados pelo exame direto do material. Para realizar a cultura, o escarro é colocado em um meio com substâncias nutritivas que permitem a multiplicação dos bacilos. Existindo bacilos vivos, eles irão formar “colônias” com características próprias, permitindo a confirmação da presença do bacilo de Koch. Desde a semeadura até a formação das colônias decorrem aproximadamente 45 dias. Este método, embora seja mais sensível, tem a desvantagem da demora, enquanto a baciloscopia direta pode ser feita no mesmo dia. Além disso, exige laboratório mais bem equipado e é mais caro. ATENÇÃO: É muito importante a colheita adequada do escarro, para que se garanta a qualidade dos exames de baciloscopia e cultura.

 21 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE 13. QUAL A UTILIDADE DO EXAME DE RAIOS-X DE TORÁX? O exame radiológico pode revelar imagens no pulmão sugestivas de TB, mas não é suficiente para confirmar a doença. Somente o encontro do bacilo pela baciloscopia ou a cultura dá a certeza do diagnóstico. É especialmente útil em crianças, onde o encontro de bacilos no escarro é muito raro.

 14. PARA QUE SERVE O TESTE COM PPD? Outro exame que também ajuda na suspeita de TB é o teste tuberculínio com PPD. PPD é uma substância extraída de proteínas do bacilo de Koch, que é injetada na pele. Se o organismo já foi infectado pelo bacilo, isto é se já o conhece, ele irá reagir, determinando que o local da injeção fique vermelho e entumecido. Isso não quer dizer que a pessoa já esteja doente, mas somente que seu organismo já tomou contato com o bacilo (foi infectado) anteriormente. O teste tuberculinio é também conhecido como reação de Mantoux.

22 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE 15. ONDE PROCURAR O DOENTE DE TUBERCULOSE? O diagnóstico, principalmente dos casos bacilíferos, é o primeiro ponto para se cortar a cadeia de transmissão. As medidas para se conseguir melhorar esse ponto dependem fundamentalmente de uma boa, ampla e acessível assistência médica à população. O grupo prioritário para pesquisa de TB é o das pessoas que tem tosse há 3 semanas ou mais, os sintomáticos respiratórios. Estas pessoas devem ser submetidas ao exame baciloscópico de escarro. Todos os serviços de saúde devem ter condições de realizar este exame e de obter o resultado com rapidez. Esta atividade, a busca de casos através do exame baciloscópico de escarro dos sintomáticos, depende naturalmente de que os serviços de saúde, trabalhem de “portas abertas”, de forma integrada e planejada. Deve ser colhida uma amostra de escarro na Unidade de Saúde no momento da consulta e solicitada outra amostra a ser colhida no dia seguinte, de manhã, em jejum. Outro grupo de risco para a busca de casos é o dos contactantes domiciliares dos doentes bacilíferos, que devem ser convocados para consulta médica e orientação.

23 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE Estima-se que os serviços de saúde estejam descobrindo cerca de 80% dos casos existentes, porém há indícios de que esta descoberta se dá muito tarde, depois que o doente já teve oportunidade de infectar muitas pessoas.

16. COMO É O TRATAMENTO E O QUE É DOTS? O tratamento da TB é feito com medicamentos que devem ser tomados todos os dias de manhã, durante 6 meses. É fundamental garantir que o tratamento não seja interrompido. Se o doente não tomar rigorosamente os remédios pode ser que os micróbios fiquem resistentes a esses medicamentos e não se consiga a cura. A recaída então pode ser muito grave. O tratamento deverá ser acompanhado através de consultas médicas pelo menos duas vezes por mês na fase de ataque e 1 vez por mês na fase de manutenção na unidade de saúde mais próxima à residência do doente. Na maioria das vezes não é necessário internar o doente. Somente os casos mais complicados precisam ser encaminhados ao hospital.

24 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE Os medicamentos às vezes provocam reações indesejáveis, sendo necessária avaliação médica. A consulta então deve ser providenciada no mesmo dia. Um efeito esperado é a coloração avermelhada da urina, que deve ser avisada porque assusta alguns doentes, apesar de normal. O aparecimento de náuseas, diarréias e até vômitos ocorre com certa freqüência e quase sempre pode ser contornado com medicação sintomática ou alteração no horário de tomada dos medicamentos específicos. Raramente haverá reações mais graves, que implicarão na suspensão dos medicamentos. Tudo isso será decidido pelo médico. É bom lembrar que os medicamentos contra a TB não são vendidos nas farmácias, sendo portanto de responsabilidade exclusiva do setor público de saúde. Como o tratamento não pode de maneira nenhuma ser interrompido, é extremamente necessário que haja organizações e esforços para que o doente não deixe de receber todos os medicamentos prescritos. O DOTS é traduzido como tratamento de curta duração diretamente observado ou simplesmente tratamento supervisionado. O tratamento supervisionado significa uma mudança na forma de se administrar os medicamentos sem mudanças no esquema terapêutico.

 25 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE Assim nesse tratamento o profissional de saúde passa a observar o paciente “engolir” os medicamentos durante o período do tratamento, desde o início até a sua cura. Os princípios básicos do tratamento supervisionado são: 1-Flexibilidade de atendimento: • Pacientes comparecem na unidade a) diariamente ( segunda a sexta-feira); b) no mínimo 3 vezes por semana nos dois primeiros meses. • Profissionais de saúde tratam no domicílio a) visita de profissionais de saúde ou agentes comunitários de saúde (PSF/PACS) para realizar o tratamento supervisionado. 2-Equipe de trabalho treinada e interessada. 3-Oferecer incentivos ao paciente para encorajar sua adesão. 4-Rede laboratorial equipada e treinada. 5-Sistema de informação para monitorar os casos, tratamento, evolução e resultados.

 17) QUAIS SÃO OS MEDICAMENTOS UTILIZADOS? No Brasil, o tratamento da TB é padronizado e tem a duração de 6 meses.

26 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE Os medicamentos utilizados são a isoniazida (também chamada hidrazida), a rifampicina e a pirazinamida, durante os 2 primeiros meses, ao fim dos quais se suspende a pirazinamida e se continua com isoniazida e rifampicina mais 4 meses. Este é o chamado esquema 1. Esse esquema também deverá ser utilizado nos pacientes HIV positivo. O esquema 1 pode ser prolongado até um ano em alguns casos de TB extra-pulmonar. Na meningite tuberculose usa-se o esquema para meningites (as mesmas drogas em doses diferentes e com duração de 9 meses). Como outros antibióticos, os medicamentos ativos contra TB podem causar alguns efeitos indesejáveis. Esses efeitos são freqüentes e, na maioria das vezes, o médico tem condição de contorná-los sem mudar as drogas prescritas. Quando os exames de escarro não indicam melhora, o médico investiga em primeiro lugar se o doente está tomando os remédios corretamente. Muitas vezes os bacilos ainda são sensíveis aos medicamentos e corrigindo a irregularidade pode-se conseguir a cura. Caso o doente esteja tomando os remédios corretamente e não esteja negativando o exame de escarro, o médico poderá concluir que seja necessário mudar o esquema de tratamento e substituí-lo pelo esquema de “falência” também padronizado e com duração de um ano.

 27 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE Nenhum dos esquemas para o tratamento de TB usa uma droga única. A associação de duas ou mais drogas visa prevenir o aparecimento de resistência dos bacilos. É muito importante conseguir que o doente siga rigorosamente o tratamento e consiga logo a cura, com o esquema 1. Alteração nas doses, interrupção e abandono da medicação sem ordem médica levam ao fracasso do tratamento e ao aparecimento de resistência dos bacilos aos medicamentos, tornando mais difícil a cura dos doentes. ESQUEMA 1 Para adultos com peso maior que 45 quilos: 2 Meses - 2 cápsulas (vermelhas) de Rifampicina + lsoniazida.(devem ser tomadas juntas ao mesmo tempo, de preferência em jejum); - 4 comprimidos (brancos) de Pirazinamida. (também devem ser tomados juntos ao mesmo tempo, de manhã por exemplo após o café da manhã).

28 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE 4 Meses - 2 cápsulas (vermelhas) de Rifampicina + lsoniazida (de preferência em jejum). 18. É NECESSÁRIO ALGUM CUIDADO ESPECIAL? Depois de poucos dias do início do tratamento correto já não há mais perigo de contágio, porque os bacilos já estão fracos e não contaminam mais as pessoas. O doente pode levar uma vida normal. O afastamento do trabalho vai depender das suas condições físicas. O médico responsável terá condições de decidir e encaminhar o doente para licença no trabalho, caso seja necessário. O doente não precisa ser isolado, nem separar seus utensílios como: copo, prato, toalha e outros objetos. Não precisa também, dormir separado. A pessoa com TB pode comer de tudo, sem restrições, devendo reduzir ao máximo o fumo e bebidas alcoólicas.

JAMAIS FRACIONAR AS DOSES DOS MEDICAMENTOS 29 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE 19) QUE DEVE SER FEITO NA 1ª CONSULTA? Na primeira consulta, quando o doente toma conhecimento de seu diagnóstico, muitas informações serão passadas para ele. Isso num momento em que ele provavelmente estará preocupado com muitas coisas referentes à sua doença, sua família e seu trabalho. É importante que, após a consulta médica, um funcionário possa reforçar as orientações de maneira amigável, compreensiva e segura. Para isso o funcionário deve em primeiro lugar ouvir atentamente as dúvidas do doente. Não adianta por exemplo, falar o dia marcado para retorno se o paciente estiver preocupado com outras coisas. Deve-se transmitir confiança e esclarecimentos nos pontos de maior ansiedade. CUIDADO para não sugestionar ou assustar o paciente, procure não falar na 1ª consulta todas as possíveis reações aos medicamentos, procure apenas orientar a respeito da coloração avermelhada da urina e que se se sentir mal deverá retornar ao serviço de saúde.

30 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE ROTEIRO PARA 1ª CONSULTA • Perguntar sobre conhecimentos e atitudes do doente em relação à TB e seu tratamento. • Explicar como as pessoas adoecem de TB. • Oferecer e orientar sobre o tratamento supervisionado. • Quais os medicamentos, doses, possíveis efeitos indesejáveis, coloração avermelhada da urina pela rifampicina e duração prevista do tratamento. • Comparecimento mensal para consulta. • Retorno fora do agendamento, se necessário. • Perigo de interromper o tratamento por conta própria. • Orientar sobre os hábitos de vida do cliente. • Orientar se o doente pode continuar trabalhando e sobre o auxílio doença, conforme indicação médica. • Anotar o nome dos contatos e convocá-los para consulta. • Orientar sobre a coleta de escarro (anexo 1). • Registrar no prontuário as principais anotações, notificar o caso e registrar no livro preto.

31 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE 20. COMO FAZER O CONTROLE DO TRATAMENTO NA UNIDADE DE SAÚDE? O doente deve ser agendado mensalmente para consulta médica. Os seguintes passos devem ser seguidos sempre: Consulta médica. a - Esclarecer se o doente já fez tratamento de tuberculose e com que drogas. b - Pesar o doente e registrar o peso. c - Anotar a data do início de tratamento. d - Perguntar pelo uso de outros medicamentos devido a possíveis interações medicamentosas. e - Colocar e organizar no prontuário os resultados de exames bacteriológicos. f - Oferecer teste anti-HIV. g - Verificar adesão e registrar no prontuário. Orientação após a consulta médica. Controle dos contatos do paciente. Controlar e convocar faltosos. Visita domiciliar.

32 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE 21. O QUE É DOENTE FALTOSO? É o paciente que não compareceu à Unidade de Saúde até 30 dias após a última consulta agendada. Por exemplo: o paciente tem retorno agendado para o dia 7 de julho e não compareceu à consulta na data marcada, então até 7 de agosto ele é considerado faltoso. No dia 8 de agosto ele já é classificado como caso de abandono e, se voltar, deverá ser reiniciado novo tratamento e renotificado.

22. O QUE FAZER COM O DOENTE FALTOSO? Certificar-se do motivo da falta à unidade de saúde: a- Perguntar porque não compareceu à unidade; b- Observar se o cliente mostra-se preocupado ou indiferente, no momento de falar os motivos que o levaram a faltar. Os problemas freqüentemente apresentados pelos clientes são: • distância da casa e dificuldades de transporte; • não ter como faltar ao trabalho; • alegar que os medicamentos fazem mal; • não sentir melhora, pensar que não está doente; • não sentir-se bem quando atendido no serviço.

33 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE Certificar-se da causa real do não comparecimento à unidade e discutir os problemas apresentados procurando ajudá–lo a encontrar soluções. Explicar as possibilidades e limitações do serviço: a- Informar que o serviço de saúde ajudará o paciente a curar-se, oferecendo-lhe medicamentos e exames. b- Explicar que a sua cura depende da ingestão regular dos medicamentos e do seu comparecimento na data agendada. Incentivar o cliente a continuar o tratamento: a- Explicar que a coisa mais importante no momento é o seu tratamento. b- Explicar que necessita ter boa vontade para superar as dificuldades e tratar-se corretamente até a sua cura.

23. COMO MELHORAR A ADESÃO AO TRATAMENTO? É muito importante que o doente sinta que a Unidade de Saúde está de portas abertas para ele. Os grandes responsáveis pelo fracasso do tratamento são a interrupções e a irregularidade na tomada dos medicamentos. É difícil para qualquer pessoa tomar os remédios diariamente sem esquecer, durante 6 meses, ainda mais que logo o doente começa a se sentir melhor, e pensa que já está curado.

 34 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE Só é possível conseguir a adesão e colaboração do doente até a sua cura se ele tiver confiança no remédio e no pessoal da Unidade de Saúde. Para isso é fundamental que se comece a estabelecer esse vínculo desde a primeira consulta. Todas as explicações devem ser dadas em linguagem simples para que o doente possa entender. Verificar se ele compreende as orientações. O próximo retorno deve ser agendado em dia e hora que o doente possa comparecer e ele deve ser avisado que, se por acaso tiver dúvidas ou sentir qualquer problema, poderá comparecer antes da data marcada em qualquer dia, para uma consulta eventual. Deve-se calcular sempre a quantidade de medicamento de acordo com o prazo do agendamento, e não agendar consulta em prazo maior que 30 dias. O tratamento supervisionado deve ser oferecido à todos os pacientes e não somente para os que aparentemente tem maior chance de abandonar o tratamento como os alcoólatras, doentes que abandonaram o tratamento anteriormente, pessoas que têm dificuldades de compreender as orientações, etc.

CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE O tratamento supervisionado é a estratégia recomendada pela OMS para aumentar a adesão ao tratamento da tuberculose. 24. QUAIS SÃO OS CUIDADOS COM A FAMíLlA DO DOENTE? Com o início do tratamento correto, o perigo de contágio cai praticamente a zero em questão de 15 dias. No entanto todas as pessoas que moram na mesma casa que o doente de tuberculose precisam ser examinadas. Isso porque elas podem ter sido infectadas antes do começo do tratamento do doente. O médico irá examinar, encaminhar para exame se for necessário e dirá quais as providências que cada pessoa vai precisar para ser protegida ou, se já estiver doente, para ser tratada. É importante ficar atento. Se mesmo depois de muito tempo, alguma pessoa da família apresentar tosse persistente ou outros sintomas de tuberculose, devem procurar um Centro de Saúde porque às vezes a tuberculose leva vários anos para se manifestar.

36 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE As pessoas vacinadas com BCG intradérmico estão mais protegidas contra a TB. Elas têm menor risco de adoecer, mesmo se tiverem contato com doente de tuberculose na mesma casa. Não é necessário o doente se afastar da família, desde que tome a medicação. Não há perigo de contágio da tuberculose pelo beijo, abraço ou relações sexuais. A família pode ajudar o doente, dando apoio para que ele cumpra o tratamento ate o fim, até ficar completamente curado.

25. PODE-SE PREVENIR A TUBERCULOSE? A tuberculose está muito ligada à pobreza. A melhoria das condições de vida, por si só previne muitos casos de tuberculose. Veja dois exemplos: 1- Melhorando a nutrição - A resistência das pessoas aumenta e mesmo se elas forem infectadas pelo bacilo, terão menor risco de adoecer.

37 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE 2- Melhorando as condições de habitação, torna-se menos provável o contágio. Isso porque quanto mais íntimo e prolongado é o contato com o doente bacilífero, maior a chance de que os contactantes venham a se infectar pelo bacilo da tuberculose. Se há muitas pessoas dormindo no mesmo quarto, em casas mal ventiladas e onde não bate sol, o risco de contágio é muito maior. Há também medidas de proteção individual. São elas: • Vacinação com BCG - intradérmico, aplicada a todas as crianças a partir do nascimento. • Quimioprofilaxia - indicada para alguns indivíduos que, tendo sido infectados pelo bacilo de Koch, estejam sujeitos a maior risco de adoecer.

26. EM QUE CONSISTE A QUIMIOPROFILAXIA? A quimioprofilaxia consiste em se administrar um medicamento para indivíduos que embora não estejam doentes, tenham sido infectados pelo bacilo de Koch e estejam sujeitos a grande risco de adoecer. O medicamento normalmente utilizado é a isoniazida, durante 6 meses. 38 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE Como exemplo de caso que deve fazer quimioprofilaxia, temos a criança menor de 5 anos que é contactante de um doente bacilífero, não tem sintomas, tem exame de raios-X de tórax normal e não foi vacinada com BCG-ID. Em alguns outros casos, a critério médico, também será indicada a quimioprofilaxia.

27. O QUE É A VACINA BCG? O nome desta vacina vem das iniciais do bacilo de Calmette-Guerin. Esses pesquisadores descobriram um processo que “enfraquece” os bacilos da tuberculose bovina, tornando-os incapazes de produzir doença. Com esses bacilos “enfraquecidos” é que se prepara a vacina, que tem a capacidade de aumentar a resistência do indivíduo vacinado em relação à tuberculose. O risco de adoecimento de uma pessoa vacinada é cerca de 5 vezes menor do que se ela não fosse vacinada, caso venha a ser infectada pelo bacilo de Koch. A vacina BCG dá uma proteção de 80% . A vacina BCG é aplicada por injeção intradérmica, na parte superior do braço direito, provocando uma reação química local que dura cerca de 10 semanas até a cicatrização. Nesse período, deve-se evitar coçar a lesão para não infeccionar.

39 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE A vacina BCG deve ser dada a todas as crianças, a partir do nascimento. Poderá ser aplicada ao mesmo tempo com outras vacinas, como a anti-polio (Sabin), anti-sarampo e tríplice.

28. COMO MELHORAR O CONTROLE DA TUBERCULOSE EM SUA UNIDADE DE SAÚDE? Melhorando a descoberta de casos. Facilitando horários de atendimento do doente de tuberculose. Por exemplo: Se um doente novo chega, ele deve ser atendido no mesmo dia. Se for impossível uma consulta médica, pelo menos será matriculado e atendido individualmente por outro profissional, tendo sua consulta médica marcada com a máxima urgência. Caso um doente compareça fora do dia marcado, deverá ser priorizado o seu atendimento, mesmo que possa parecer “pouco caso” com sua própria saúde o fato de ter perdido o dia da consulta. Analise com ele o porque de seu atraso, propondo-se ajudá-lo a superar as dificuldades. Aja com compreensão e firmeza.

40 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE Organizando o controle de faltosos ( ver: como se controla o comparecimento dos doentes?). Melhorando o relacionamento das equipes de saúde com o doente. Uma relação de confiança deve se estabelecer desde a chegada do paciente em todas as consultas (ver: como melhorar a adesão ao tratamento?). • Controlando o comparecimento dos comunicantes. • Organizando o suprimento de medicamentos. • Notificando os casos corretamente. • Verificando se está descobrindo o número de casos previsto e conseguindo curá-los. • Colaborando na orientação à população e aos seu colegas.

29. PARA QUE SERVE A NOTIFICAÇÃO? O sistema de informação é um instrumento importante para quem vai avaliar e planejar as atividades e recursos para o Programa de Controle nos vários níveis.

41 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE É pelas fichas que se pode ter idéia do número de casos descobertos, se a incidência da tuberculose está aumentando ou diminuindo. É necessário que as fichas sejam bem preenchidas e encaminhadas nos prazos estabelecidos, porque nesses dados se baseia a decisão sobre as providências a tomar e o cálculo de medicamentos necessários. Pelas altas notificadas se avalia como está o resultado do tratamento: casos curados e abandonos, etc.

30. QUAL É O IMPACTO DO PROGRAMA DE CONTROLE DA TUBERCULOSE? O impacto na redução da tuberculose é dado através da anulação das fontes de infecção. Isso depende de um Programa bem organizado. Por exemplo se uma região consegue descobrir 70% dos doentes bacilíferos existentes e, destes, só a metade chega à cura, então esta região tem um programa que só está atingindo estes 35% do total de doentes.

42 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE Os outros que não foram descobertos, ou que não chegaram ao fim do tratamento continuam a espalhar a tuberculose na comunidade. Além disso, os que abandonaram o tratamento podem vir a se tornar doentes crônicos e resistentes aos medicamentos e transmitir os bacilos dessa tuberculose resistente. A vacinação com BCG é utilizada para evitar casos de tuberculose, mas tem pouco efeito quanto a interromper a cadeia de transmissão da doença. Isso porque, pelas próprias características da tuberculose, os casos de tuberculose em crianças raramente são fontes de infecção (não são bacilíferos). Ou seja, a importância da vacinação é a proteção individual a cada criança, não a proteção da comunidade, porque de toda forma os casos evitados não seriam fontes de contágio. É melhorando o diagnóstico da tuberculose e aumentando a adesão dos pacientes ao tratamento que se conseguirá o controle da doença. 43 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE Anexo 1 ! ! Procedimentos para a colheita: 1 – Quantidade e qualidade Lembrar que uma boa colheita de escarro é a que provem da árvore brônquica obtida após esforço de tosse, e não a que se obtêm da faringe ( normalmente saliva ) ou ainda por aspiração das secreções nasais. O volume ideal deverá ser de 5 a 10 ml. 2 - Recipiente O material deve ser colhido em potes plásticos de preferência com as seguintes características: descartáveis, transparentes, boca larga (50 mm de diâmetro, tampa de rosca, altura de 40 mm e com capacidade de 30 a 50 ml). O pote deve ser identificado onde será escrito o nome do paciente e a data da colheita. Esta identificação deverá ser feita no corpo do pote e nunca na tampa. 3 - Local da colheita As amostras devem ser colhidas em local aberto, de preferência ao ar livre ou em sala bem ventilada. 44 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE 4 - Número de amostras e momento da colheita A baciloscopia com a finalidade de diagnóstico deve ser feita a partir de pelo menos duas amostras. Normalmente a primeira amostra é colhida no momento da consulta, para aproveitar a presença do doente; a segunda amostra deve ser colhida no dia seguinte ao despertar. O horário do despertar auxilia a obter uma amostra mais abundante devido às secreções acumuladas na árvore brônquica durante a noite. 5 - Orientação para o paciente O pessoal da Unidade de Saúde deve orientar o paciente de modo claro e simples quanto à colheita de escarro, seguindo os seguintes passos: OBS : antes de entregar o pote ao paciente deve-se verificar se o frasco esta fechando bem e se o mesmo já está devidamente identificado com o nome e data fixado no corpo do pote. a) ao despertar pela manhã o paciente deverá inspirar profundamente retendo por alguns instantes o ar nos pulmões tossir e lançar o material no pote; essa operação deve ser repetida até a obtenção de 3 eliminações de escarro ( evitar que escorra na parede externa do frasco ). b) o paciente deve, então, tampar o pote firmemente e em seguida lavar as mãos. Em seguida deve prepará-lo para o transporte até a unidade ou laboratório, colocando-o em um saco plástico ou em uma caixa com a tampa para cima e firmando-o para não virar durante o trajeto. 45 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE Procedimentos para conservação e transporte A amostra de escarro deve ser armazenada sob refrigeração, em geladeira comum, podendo ser conservada por até 5 dias. No caso de cultura o procedimento para a colheita e conservação deverá ser o mesmo da baciloscopia de escarro, porém deve ser encaminhada ao laboratório no tempo mais curto possível. Quando a amostra permanecer em temperatura ambiente deve ser armazenada em um local fresco, sem exposição à luz solar sendo conservada por no máximo 24 horas. No entanto no Estado de S. Paulo, não há justificativa nem para armazenar fora da geladeira nem para essa demora de 5 dias, recomendase armazenar no máximo um dia no refrigerador. Para o transporte de amostras deve-se considerar três condições importantes: - manter sob refrigeração - proteger da luz solar - acondicionar de forma adequada para que não haja derramamento. Recomenda-se para o transporte das baciloscopias da unidade para o laboratório a utilização de caixas de isopor por serem isolantes térmicas, laváveis e leves. Os potes deverão estar dispostos no interior das caixas térmicas com algum tipo de suporte para evitar o derramamento dos mesmos. 46 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE OBSERVAÇÕES: 47 CARTILHA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS — TUBERCULOSE OBSERVAÇÕES: DIVISÃO DE TUBERCULOSE CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Profº. "Alexandre Vranjac" SECRETARIA GOVERNO DO ESTADO DA SAÚDE SÃO PAULO capa MR 23/11/2001

Se quiser leia através do link http://redetb.org/attachments/article/33/083_PUBLIC_MANUAL_Cartilha_da_Tuberculose_Perguntas.pdf

Políticas Nacional: Daniel Adrião afirma ter conquistado 28 lugares na Comissão Nacional




polticia nacional
Atualização diária  28 de maio de 2018
NOTÍCIAS
Daniel Adrião afirma ter conquistado 28 lugares na Comissão Nacional
Além da Comissão Política, em breve, também serão eleitos o Secretariado Nacional, o órgão de direcção formal e que é liderado por António Costa, ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Marina Silva e quatro ex-ministros repudiam novo presidente do ICMBio
... barganha política. Neste domingo (27/5), servidores do Instituto fecharam o Parque Nacional de Brasília, onde fica a Água Mineral, em protesto.
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Greve dos caminhoneiros: governo sem forças no Congresso e nas ruas
... possui uma base aliada no Congresso Nacional completamente rachada e ... de modo célere, do jeito que queria a equipe de articulação política.
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Eduardo Baptista detona políticos por “caos” no país: “Indignação imensa”
Baptista, por fim, ressaltou a importância de discutir sobre a política nacional, principalmente em um momento como este, deixando bem clara sua ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
General diz que não há risco de militares cometerem erros
O secretário nacional de Segurança Pública, Carlos Alberto dos Santos Cruz, disse hoje (27) que as Forças Armadas estão preparadas para atuar na ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
PS/Congresso: Daniel Adrião afirma ter conquistado 28 lugares na ComissãoNacional
Além da Comissão Política, em breve, também serão eleitos o Secretariado Nacional, o órgão de direção formal e que é liderado por António Costa, ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Rui Marqueiro na Comissão Política Nacional do PS
O presidente da Comissão Política Concelhia (CPC) da Mealhada do Partido Socialista e presidente da Câmara Municipal local, Rui Marqueiro, ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Federação Nacional dos Policiais Federais divulga nota de apoio aos caminhoneiros
Federação Nacional dos Policiais Federais divulga nota de apoio aos ... movimento nacional contra a absurda política de aumento de combustíveis ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Forças armadas não podem ser usadas para manobras políticas
Como as últimas manifestações nacionais diz respeito ao posicionamento popular sobre a prisão de políticos envolvidos em casos de corrupção, ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante

Jornal de Saúde informa

Férias escolares: momento importante para atualizar a caderneta de vacinação das crianças e adolescentes

Rio de Janeiro, novembro de 2018  – Férias escolares, viagens, família reunida e festas de fim de ano. Além de todas essas comemora...

Jornal de Saúde