segunda-feira, 21 de maio de 2018

Livro Flor de Sal traz o melhor da culinária natural e saudável, sucesso em tudo, das receitas ao acabamento

Nota do Editor:
Recebi hoje, 21/05/2018 o exemplar desse precioso livro de receitas de comidas naturais e como economizar e não desperdiçar aquilo que pode virar alimento, se usado com criatividade e com as receitas da vovó de Gabi Mahamud. A editoração, capa, acabamento e conteúdo é sucesso e este livro precisa estar nas mãos e estandes de muitos que são apaixonados por cozinhar como a autora.

Ainda não tive o prazer de aplicar nenhuma receita. Mas o livro me entusiasmou e sei de antemão que serão perfeitas, deliciosas e maravilhosas. Parabéns Gabi, você é sucesso!

Livro Flor de Sal traz o melhor da culinária natural e saudável
A obra, assinada pela chef Gabi Mahamud, traz dezenas de receitas exclusivas e conceitos sobre sustentabilidade na gastronomia

CURITIBA, 08/05/2018 – Alimentação alternativa é um assunto cada vez mais recorrente em todo o mundo. A culinária vegana, por exemplo, passou a ganhar um espaço significativo, conquistando chefs e um grande número de adeptos que buscam uma alimentação saborosa e saudável. Pensando neste mercado efervescente, a chef mineira radicada em Curitiba (PR), Gabi Mahamud, se especializou em gastronomia vegana e passou a difundir suas ideias e receitas pela internet. Agora, a profissional prepara o lançamento oficial de seu primeiro livro: Flor de Sal.

Lançado pela Editora Alaúde, a obra traz conceitos sobre gastronomia sustentável, a história da chef Gabi Mahamud e mais de 60 receitas veganas e sem glúten, com preparos reconfortantes para todos os momentos do dia, distribuídas em 143 páginas. São tortas, massas, salgadinhos, doces, bolos, lanches e bebidas, além de versões vegetais de maionese, requeijão e queijo. “Além de contar um pouco da minha história com a gastronomia, o livro traz diversos ensinamentos de como desperdiçar menos, realizar pequenas tarefas que podem mudar o mundo, e diversas receitas diferentes”, explica a chef. O grande diferencial do livro é a preocupação com o sabor de cada receita. “Temos que acabar com o mito de que receitas sem glúten, veganas, saudáveis esustentáveis não têm compromisso com o sabor”, complementa.

Outro de destaque na obra é que as receitas são desenvolvidas com ingredientes práticos e acessíveis, sempre com opções de substituição no rodapé e/ou conteúdo complementar. A obra conta ainda com a participação da Dra. Maitê César e da Coach Marcinha Bello, que dão dicas de mindfull eating. Além de apresentar uma diagramação bonita e um conteúdo repleto de novidadese boas ideias, o livro Flor de Sal propõe interatividade com os leitores. Muitas receitas são acompanhadas por conteúdo digital extra, como QR Codes que indicam variações na receita ou GIFs que mostram algumas etapas do preparo.

“A ideia é que o Flor de Sal seja um companheiro para o dia a dia para quem busca uma alimentação mais saudável e saborosa. Nos preocupamos em apresentar uma obra que traga conceitos afetivos para o público, oferecendo uma gastronomia reconfortante edemocrática, com preparos que podem ser facilmente preparadas por qualquer pessoa. Tenho certeza que o livro vai surpreender os amantes de uma boa comida”, detalha Gabi.

Sobre Gabi Mahamud

Aos 26 anos, Gabi Mahamud é uma das grandes referências nacionais quando o assunto é alimentação alternativa. A sustentabilidade sempre foi motivo de descobertas e transformações para a profissional. Formada em arquitetura, ela assumiu o amor pelas panelas após lutar contra a depressão e perceber que deveria trabalhar com algo em que realmente acreditasse, que contribuísse para melhorar o mundo.

No final de 2016, a chef ganhou destaque em todo Brasil ao fundar o GoodTruck, projeto que leva comida de qualidade a quem não tem o que comer, recolhendo e preparando alimentos que iriam para o lixo em restaurantes e supermercados. Gabi foca o seu trabalho em ensinar a reduzir o desperdício de alimentos por meio de mudanças de hábitos e da conscientização dos consumidores.Em pouco tempo, o projeto acumula prêmios e parcerias com grandes marcas, entre elas Pátio Batel, Vale Fértil, Restaurante Manu, Nex Coworking, Cativa Natureza e TETO.


Entidades lançam manifesto contra indicações de novos diretores da ANS




 
 
 
Onze organizações pedem a integrantes de comissão do Senado que fará sabatina de Rogério Scarabel que rejeitem a indicação por potencial conflito de interesse em sua atuação
 
 
 
O Idec e outras dez entidades lançaram nesta segunda-feira (21) um manifesto pedindo que a Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal rejeite a indicação de Rogério Scarabel, cuja sabatina está marcada para ocorrer às 9h de quarta-feira (23), para o cargo de diretor na Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). As entidades pedem ainda a substituição de outro indicado, Davidson Tolentino de Almeida, por envolvimento em suposto esquema de corrupção e por não apresentar expertise necessária ao exercício do cargo.

As indicações para as duas diretorias da ANS foram feitas pela Presidência da República em 17 de abril e já haviam sido contestadas pelo Idec e pela Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), em cartas enviadas à Comissão de Ética Pública da Presidência da República.

No manifesto enviado aos senadores, as 11 entidades apontam que Scarabel atuou como advogado de empresas do setor que deverá fiscalizar, o que denota potencial conflito de interesse em sua atuação. O indicado é associado do escritório Imaculada Gordiano Sociedade de Advogados, localizado em Fortaleza (CE), na área Hospitalar. Segundo material de divulgação do escritório, consta a informação de que atuam representando interesses de empresas perante a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

Contra Davidson Tolentino de Almeida pesa a informação, veiculada em matéria do Jornal Nacional (TV Globo) de 27/04/2018, de envolvimento em suposto esquema de corrupção, arrecadação e estocagem de dinheiro ilícito. A matéria foi baseada em depoimentos à Polícia Federal de José Expedito Rodrigues Almeida, ex-assessor do senador Ciro Nogueira (PP) e do deputado Eduardo da Fonte (PP).

Ainda de acordo com as entidades, o histórico profissional de Tolentino demonstra que ele não tem experiência ou formação na área da saúde, de seguros ou de planos de saúde. Em suas funções anteriores não há pertinência temática com o cargo, e, segundo consta do relatório, sua experiência no Ministério da Saúde não chegou a dois anos. Ou seja, o indicado não preenche os requisitos do art. 5º da lei nº 9.986/2000, que exige reputação ilibada, formação universitária e elevado conceito no campo de especialidade do cargo.

Assinam o manifesto, além do Idec e da Abrasco, a ACT Promoção de Saúde, a Academia Brasileira de Neurologia (ABN), a Associação Brasileira de Economia da Saúde (ABRES), a Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (Abrale), a Associação de Obstetrícia e Ginecologia de São Paulo, a Associação dos Servidores e demais Trabalhadores da Agência Nacional de Saúde Suplementar (Assetans), a Associação Paulista de Medicina (APM), o Movimento das Donas de Casa de Minas Gerais (MDC/MG) e a Sociedade Brasileira de Clínica Médica.
 
 

 
 

O que podemos aprender com a alimentação de um atleta?



Nutricionista do Instituto Tênis dá dicas para a elaboração de um planejamento alimentar adequado e fala sobre o uso de suplementos     

Os atletas têm um cuidado muito especial com a alimentação. Em algumas modalidades, o rigor com a forma física é ainda maior, mas é fato que ser saudável é imprescindível para todas. Nesse sentido, aliado aos exercícios físicos, o hábito de manter práticas saudáveis à mesa é essencial para renovar as energias e manter a competitividade.
Embora a forma dos atletas seja invejada por muitas pessoas, é importante ficar atento na hora de se inspirar no planejamento alimentar destes profissionais, já que cada organismo tem as suas necessidades específicas e, quando o assunto é alimentação, esta é uma variável importante. “A nutrição dos atletas não é única, somente pelo fato de terem esta ocupação profissional. Isso se aplica até quando fazem parte de uma mesma equipe. Nesses casos, cada integrante é avaliado individualmente e recebe recomendações customizadas”, explica a nutricionista do Instituto Tênis, Patrícia Ghattas.
Segundo a especialista, quem pratica atividades esportivas, obviamente deve ter atenção redobrada nesse quesito, pois, na maioria das vezes, a demanda energética e nutricional é maior do que quem não as realiza. Por isso, entre os atletas, o planejamento alimentar também é diferenciado, uma vez que as necessidades às vezes podem ser parecidas, mas jamais são iguais.
“O erro mais comum, ao copiar o cardápio de um atleta, é acreditar que o que serve para um ídolo do esporte, serve para qualquer pessoa. Com isso, a busca por um atendimento profissional, para a elaboração de uma estratégia nutricional correta, é deixada de lado”, reitera Patrícia.
Outra questão importante é a supervalorização dos suplementos, que são considerados, erroneamente, milagrosos. “Hoje, as pessoas têm um comportamento muito imediatista. Almejam excelentes resultados rapidamente e fogem do que realmente funciona, ou seja, de um cuidado progressivo, que exige foco, dedicação, determinação, repetição, persistência e, sobretudo, paciência para estabelecer comportamentos alimentares mais assertivos, saudáveis e duradouros”, ressalta a nutricionista.
Patrícia, que lida diariamente com atletas de diversos níveis, explica que, para qualquer indivíduo, os suplementos são indicados apenas em algumas situações. São elas:
1)  Quando se esgotam todas as estratégias alimentares e mesmo assim ainda faltam nutrientes para suprir todas as necessidades daquele indivíduo;
2)  Nos casos em que o acesso à alimentação apropriada é muito escasso ou não se confia na qualidade e segurança dos alimentos disponíveis; 
3)  Quando existe uma real necessidade de ampliar e aperfeiçoar o desempenho físico e mental, por meio de nutrientes e bioativos muito específicos que não podem ser encontrados em quantidades suficientes nos alimentos; 
4)  Quando o indivíduo, por alguma razão, se encontra impossibilitado de ingerir os alimentos ou não consegue comer o suficiente (algumas enfermidades, desnutrição, etc). 
A nutricionista do Instituto Tênis ainda afirma que é essencial a escolha adequada dos alimentos que compõem o plano alimentar. “Quando se fala em alimentos naturais, não existem ‘vilões’ ou ‘mocinhos’. Um alimento que é considerado bom para uma pessoa, pode ser muito ruim para outra e vice-versa”. 
Entretanto, Patricia dá três dicas importantes que podem ser aplicadas a todos: 
1)    Evite alimentos industrializados e/ou processados:
Os alimentos industrializados e/ou processados, ou seja, modificados pelos seres humanos, contém aditivos sintéticos (conservantes, corantes, agrotóxicos etc.) e fazem muito mal à saúde. Por isso, para uma boa alimentação, é bom evitar o consumo excessivo destes itens. 
2)     Carne de animais que foram maltratados ou alimentados inadequadamente pode fazer mal à saúde:
Nesse sentido, é essencial checar a procedência das carnes antes de ingeri-las. 
3)     Consuma alimentos naturais:
A alimentação deve ser o mais natural e variada possível, com elementos isentos de aditivos químicos e sintéticos, incluindo verduras, legumes, frutas oleaginosas, sementes, cereais integrais, leguminosas, tubérculos, laticínios, ovos e carnes de boa procedência. Dê preferência a alimentos orgânicos. 

Jornalista de Recife tem parte do nariz necrosada após consulta e aplicação malsucedida de ácido hialurônico com biomédico


Jornalista de Recife tem parte do nariz necrosada após consulta e aplicação malsucedida de ácido hialurônico com biomédico

Sociedade Brasileira de Dermatologia alerta: Biomédicos, Dentistas, Enfermeiros, Fisioterapeutas e Farmacêuticos não estão autorizados a realizar procedimentos estéticos invasivos

Priscila Aguiar, editora adjunta do Portal Folha PE, teve complicações após realizar aplicação malsucedida de ácido hialurônico com biomédico. “Procurei essa profissional para fazer um peeling. Gostei do trabalho dela e vi que no seu consultório tinham outras máquinas de estética. Ela comentou sobre a aplicação do ácido hialurônico. Na hora, ela me passou muita confiança, disse que não havia riscos e que, com três dias, eu estaria recuperada”, relembra Priscilla.  A técnica, porém, foi malsucedida, explica Dr. Sergio Palma, Vice-Presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia, alertando que a complicação mais temida entre aquelas relacionadas ao uso de preenchimento cutâneo é a necrose causada por obstrução ou trauma vascular.
De acordo com a Lei do Ato Médico, profissionais da área da saúde, e de outras profissões regulamentadas, somente podem realizar atos que são previstos em suas leis regulamentadoras. Os biomédicos, farmacêuticos, enfermeiros, fisioterapeutas e odontologistas não possuem em suas Leis regulamentadoras autorização para a realização de procedimentos invasivos estéticos, informa o médico.  
Palma comenta ainda que, entre os erros estéticos mais comuns, estão a aplicação de preenchedores em planos inadequados, o excesso do material de preenchimento e injeções em áreas de alto risco, como as próximas à artéria facial, à artéria angular ao longo do sulco nasolabial, nariz e glabela; além de queimaduras e cicatrizes por peelings agressivos, lasers e tecnologias como a criolipólise e luz pulsada. “É preciso que a população entenda que esses procedimentos envolvem algo muito sério, a saúde. Eles não podem estar separados de uma consulta médica”, diz Palma e, complementa: “do ponto de vista de saúde pública, vale ressaltar que a prática da medicina e realização de tratamentos devem ser feitos no consultório médico, onde é possível observar os quesitos de biossegurança dos procedimentos. O conhecimento e domínio das técnicas de aplicação, da anatomia local, das indicações e contraindicações com base no estudo amplo das doenças que envolvem a pele, também são fundamentais para alcançar melhores resultados, bem-estar e segurança do paciente. Também é de extrema importância que o profissional executor do procedimento estético esteja preparado para prontamente avaliar e lidar com possíveis efeitos adversos, finaliza.

Recentemente, decisões da justiça reafirmaram que outros profissionais estão proibidos de exercer procedimentos estéticos médicos e invasivos. No dia 20 de abril, a Justiça Federal decretou a nulidade da Resolução 573/2013 do Conselho Federal de Farmácia (CFF), e farmacêuticos são proibidos de realizar procedimentos estéticos dermatológicos. Em dezembro de 2017, a Justiça Federal no Rio Grande do Norte concedeu liminar, válida para todo o país, que proíbe a aplicação de toxina botulínica e preenchimentos faciais para fins estéticos por dentistas. 

A Sociedade Brasileira de Dermatologia registra que, entre maio e dezembro de 2017, cerca de 370 denúncias de casos concretos contra o exercício irregular da medicina foram encaminhadas pelo Departamento Jurídico da SBD aos órgãos de fiscalização (Ministério Público, Vigilância Sanitária e conselhos de fiscalização profissional) para providências cabíveis (ver gráficos). O número é resultado das ações permanentes realizadas pela entidade para a valorização dos interesses dos médicos dermatologistas, da dermatologia e da população. 



Os últimos dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) mostram que, em 2016, o número de procedimentos não cirúrgicos teve um crescimento significativo de 79,15% em relação a 2014. No total, foram realizados 1.332.203 processos não cirúrgicos, sendo a aplicação de toxina botulínica com aumento de 96,4%, seguido da técnica de preenchimento com 89,5%. Esse aquecimento no mercado estético tem trazido à tona também a questão da qualificação profissional. 

Atenção! Antes da realização de todo e qualquer procedimento, seja ele invasivo ou não, fique atento aos cuidados a serem tomados:
 – Certifique-se de que o profissional responsável é médico devidamente registrado no CRM e especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (www.sbd.org.br). Verifique também o seu Registro de Qualificação de Especialista em Dermatologia (RQE) no Conselho;
– Converse com o seu dermatologista, questione a experiência do mesmo e, caso ele não faça o procedimento, saberá indicar outro especialista para a realização do tratamento prescrito;
– Cuidado com os sites de compras coletivas e anúncios na internet que oferecem pacotes baratos e promoções;
– Desconfie também dos locais que se dispõem a cobrar preços muito baixos, frequentemente tem muita rotatividade de profissionais e nem sempre compram os melhores equipamentos e produtos

A Sociedade Brasileira de Dermatologia é a única instituição reconhecida pela Associação Médica Brasileira (AMB) e Conselho Federal de Medicina (CFM), como representante dos dermatologistas no Brasil. Para mais informações acesse: www.sbd.org.br.

Jornalista de Recife tem parte do nariz necrosada após consulta e aplicação malsucedida de ácido hialurônico com biomédico

Sociedade Brasileira de Dermatologia alerta: Biomédicos, Dentistas, Enfermeiros, Fisioterapeutas e Farmacêuticos não estão autorizados a realizar procedimentos estéticos invasivos

Priscila Aguiar, editora adjunta do Portal Folha PE, teve complicações após realizar aplicação malsucedida de ácido hialurônico com biomédico. “Procurei essa profissional para fazer um peeling. Gostei do trabalho dela e vi que no seu consultório tinham outras máquinas de estética. Ela comentou sobre a aplicação do ácido hialurônico. Na hora, ela me passou muita confiança, disse que não havia riscos e que, com três dias, eu estaria recuperada”, relembra Priscilla.  A técnica, porém, foi malsucedida, explica Dr. Sergio Palma, Vice-Presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia, alertando que a complicação mais temida entre aquelas relacionadas ao uso de preenchimento cutâneo é a necrose causada por obstrução ou trauma vascular.
De acordo com a Lei do Ato Médico, profissionais da área da saúde, e de outras profissões regulamentadas, somente podem realizar atos que são previstos em suas leis regulamentadoras. Os biomédicos, farmacêuticos, enfermeiros, fisioterapeutas e odontologistas não possuem em suas Leis regulamentadoras autorização para a realização de procedimentos invasivos estéticos, informa o médico.  
Palma comenta ainda que, entre os erros estéticos mais comuns, estão a aplicação de preenchedores em planos inadequados, o excesso do material de preenchimento e injeções em áreas de alto risco, como as próximas à artéria facial, à artéria angular ao longo do sulco nasolabial, nariz e glabela; além de queimaduras e cicatrizes por peelings agressivos, lasers e tecnologias como a criolipólise e luz pulsada. “É preciso que a população entenda que esses procedimentos envolvem algo muito sério, a saúde. Eles não podem estar separados de uma consulta médica”, diz Palma e, complementa: “do ponto de vista de saúde pública, vale ressaltar que a prática da medicina e realização de tratamentos devem ser feitos no consultório médico, onde é possível observar os quesitos de biossegurança dos procedimentos. O conhecimento e domínio das técnicas de aplicação, da anatomia local, das indicações e contraindicações com base no estudo amplo das doenças que envolvem a pele, também são fundamentais para alcançar melhores resultados, bem-estar e segurança do paciente. Também é de extrema importância que o profissional executor do procedimento estético esteja preparado para prontamente avaliar e lidar com possíveis efeitos adversos, finaliza.

Recentemente, decisões da justiça reafirmaram que outros profissionais estão proibidos de exercer procedimentos estéticos médicos e invasivos. No dia 20 de abril, a Justiça Federal decretou a nulidade da Resolução 573/2013 do Conselho Federal de Farmácia (CFF), e farmacêuticos são proibidos de realizar procedimentos estéticos dermatológicos. Em dezembro de 2017, a Justiça Federal no Rio Grande do Norte concedeu liminar, válida para todo o país, que proíbe a aplicação de toxina botulínica e preenchimentos faciais para fins estéticos por dentistas. 

A Sociedade Brasileira de Dermatologia registra que, entre maio e dezembro de 2017, cerca de 370 denúncias de casos concretos contra o exercício irregular da medicina foram encaminhadas pelo Departamento Jurídico da SBD aos órgãos de fiscalização (Ministério Público, Vigilância Sanitária e conselhos de fiscalização profissional) para providências cabíveis (ver gráficos). O número é resultado das ações permanentes realizadas pela entidade para a valorização dos interesses dos médicos dermatologistas, da dermatologia e da população. 



Os últimos dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) mostram que, em 2016, o número de procedimentos não cirúrgicos teve um crescimento significativo de 79,15% em relação a 2014. No total, foram realizados 1.332.203 processos não cirúrgicos, sendo a aplicação de toxina botulínica com aumento de 96,4%, seguido da técnica de preenchimento com 89,5%. Esse aquecimento no mercado estético tem trazido à tona também a questão da qualificação profissional. 

Atenção! Antes da realização de todo e qualquer procedimento, seja ele invasivo ou não, fique atento aos cuidados a serem tomados:
 – Certifique-se de que o profissional responsável é médico devidamente registrado no CRM e especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (www.sbd.org.br). Verifique também o seu Registro de Qualificação de Especialista em Dermatologia (RQE) no Conselho;
– Converse com o seu dermatologista, questione a experiência do mesmo e, caso ele não faça o procedimento, saberá indicar outro especialista para a realização do tratamento prescrito;
– Cuidado com os sites de compras coletivas e anúncios na internet que oferecem pacotes baratos e promoções;
– Desconfie também dos locais que se dispõem a cobrar preços muito baixos, frequentemente tem muita rotatividade de profissionais e nem sempre compram os melhores equipamentos e produtos

A Sociedade Brasileira de Dermatologia é a única instituição reconhecida pela Associação Médica Brasileira (AMB) e Conselho Federal de Medicina (CFM), como representante dos dermatologistas no Brasil. Para mais informações acesse: www.sbd.org.br.

Minas Gerais tem saldo positivo, com 23,5 mil novas vagas em abril




logo
CAGED
Minas Gerais tem saldo positivo, com 23,5 mil novas vagas em abril
Serviços, Agropecuária, Indústria da Transformação e Construção Civil foram os destaques na geração de empregos no mercado mineiro
Minas Gerais fechou o mês de abril com saldo positivo na geração de empregos. Foram abertos 23,5 mil novos postos de trabalho, uma variação de 0,60% em relação ao estoque do mês anterior. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado nesta sexta-feira (18) pelo Ministério do Trabalho. “O Caged mais uma vez mostra a força da economia mineira e confirma que estamos no caminho certo da retomada do emprego no país”, comentou o ministro do Trabalho, Helton Yomura.
Os saldos acumulados também são positivos em Minas Gerais. No ano, foram abertas 57,8 mil vagas (+1,48%), enquanto em 12 meses o estado tem 52,6 mil novos postos (+1,35%).
Em abril, quase todos os setores da economia mineira tiveram saldo positivo. Os destaques foram Serviços (+9,8 mil novos postos), Agropecuária (+4,5 mil), Indústria da Transformação (+3,5 mil) e Construção Civil (+3,3 mil).
Setores de Atividade Econômica
Saldo de Abril de 2018
Variação Absoluta
Variação Relativa (%)
Extrativa Mineral
225
0,43
Indústria de Transformação
3.577
0,48
Serviços Industriais de Utilidade Pública - SIUP
-17
-0,05
Construção Civil
3.383
1,39
Comércio
1.882
0,20
Serviços
9.879
0,63
Administração Pública
90
0,13
Agropecuária
4.544
1,65
Total
23.563
0,60

Entre os municípios mineiros, os melhores desempenhos no Caged de abril foram da capital, Belo Horizonte, com mais de 6 mil novas vagas abertas, seguida por Paracatu (+1,3 mil) e Ipatinga (+1,1 mil).
Nacional
No país, o saldo de empregos ficou positivo pelo quarto mês consecutivo. O mês de abril fechou com 115.898 postos de trabalho a mais do que em março, que já há havia apresentado números positivos. O resultado é decorrente de 1.305.225 admissões e 1.189.327 desligamentos. Com isso, 2018 chega ao final do primeiro quadrimestre com saldo de 336.855 empregos criados.
O quadro também é otimista se avaliados os últimos 12 meses. Entre maio de 2017 e abril de 2018 houve um crescimento de 283.118 postos de trabalho, um aumento de +0,75%. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) apresentados pelo Ministério do Trabalho nesta sexta-feira (18).
Setores
Outro dado apresentado pelo Caged que reforça o quadro de otimismo para o emprego foi o fato de que os oito setores econômicos apresentaram crescimento. Ou seja, todas as áreas tiveram expansão.
O melhor desempenho foi do setor de Serviços, que abriu 64.237 vagas, 0,38% a mais do que em março. A segunda melhor performance de abril ficou por conta da Indústria de Transformação, que abriu 24.108 postos. Em seguida, vieram a Construção Civil (+14.394), Comércio (+9.287), Agropecuária (+1.591), Administração Pública (+980), Extrativa Mineral (+720), Serviços Industriais de Utilidade Pública (+581).
Desempenho regional
As cinco regiões do país apresentaram saldo de emprego positivo, começando pelo Sudeste, que fechou o mês de abril com 78.074 vagas de trabalho a mais do que em março. No Centro-Oeste, o crescimento foi de 15.769 postos, no Sul, de 13.298, no Nordeste, 4.447 postos e no Norte, 4.310. Das 27 unidades federativas, 22 tiveram saldo positivo.
Ministério do Trabalho

Doenças: Saiba como driblar doenças que vêm com as baixas temperaturas





Doenças
Atualização diária  21 de maio de 2018
NOTÍCIAS
Saiba como driblar doenças que vêm com as baixas temperaturas
A maior parte do Brasil já está vivendo o início da temporada mais fria do ano. Cada um tem um jeitinho para tentar driblar as doenças comuns dessa ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Acre realiza I Seminário de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis
O dia 18 de maio é lembrado oficialmente como o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. O assunto ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Michelson Borges lança livro que trata de doenças emocionais
Cada vez mais tem se tornado comum as pessoas sofrerem de algum transtorno psicológico, como por exemplo, depressão, estresse ou ansiedade.
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Jornal Opinião Goiás – Cães nascidos no verão propensos a doenças cardíacas, diz estudo
A diferença sazonal foi especialmente acentuada – 74% maior em julho do que janeiro – em raças não geneticamente propensas a doenças ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Assembleia Mundial da Saúde apresenta agenda para salvar 29 milhões até 2023
Segundo ele, muitas pessoas morrem de doenças que podem ser prevenidas, são empurradas para a pobreza para pagar pelos seus cuidados e ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
A dor que piora com o frio
Basta uma ligeira queda nas temperaturas e lá vem ela: a dor. Muitos dizem, inclusive, que o frio "ataca" quem tem doença reumática. Será verdade?
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Fique longe de piscinas se você está com indícios de diarreia
O CDC (Center for Disease Control and Prevention), órgão norte-americano para controle e prevenção de doenças, emitiu um alerta importante, dada ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Mesmo em queda, número de fumantes no Brasil ultrapassa os 20 milhões
Segundo a Organização Mundial da Saúde, a perspectiva é que 7,5 milhões de pessoas morram por ano até 2020 por doenças causadas pelo ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Médico explica como é que a comida picante nos protege e até as lombrigas podem ser nossas ...
O que é que a comida picante tem a ver com as doenças autoimunes? Ou o chocolate? Ou o café? A resposta foi dada por Yehuda Shoenfeld, ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante

Jornal de Saúde informa

Até quando juiz poderá passar por cima da Constituição do STF e soltar liminar que fere o Direito de expressão e a liberdade de imprensa?

Grande equívoco de juiz, ao proibir a Globo de noticias matérias do processo do Assassinato de Mariele Franco e Anderson Gomes. Não podemo...

Jornal de Saúde