sexta-feira, 18 de maio de 2018

Dieta cetogênica aliada no tratamento para mal de Parkinson








Dados compravam a eficaz da dieta, além do Parkinson



Nas últimas décadas a preocupação com a saúde e o bem estar tornou-se prioridade, academias lotam e por consequência diversas dietas surgem entretanto, uma em especial, além de ter origem antiga é comprovada cientificamente. A dieta cetogênica pode ser utilizada como terapia adjuvante (tratamento para o câncer) é composta por quantidade importante de lipídeos, moderada de proteínas e escassa de carboidratos. Nesse caso ocorre uma troca dos carboidratos por lipídeos que originam uma alternativa energética para o cérebro, as cetonas.

A dieta é eficaz no tratamento das doenças neurológicas o mecanismo de ação da melhora pelo uso das gorduras como fonte de energia ainda não está muito bem elucidado, mas um dos principais fatores é a capacidade do sistema nervoso central em metabolizar os corpos cetônicos (produtos da metabolização da gordura), como explica a Dra. Márcia Simões, em Curitiba PR, “isto que altera a bioquímica dos neurônios inibindo o excesso de excitação neuronal e induz a um efeito protetor o que é útil em diversas doenças neurológicas como epilepsia, Alzheimer e o Parkinson.”

Os resultados das pesquisas são muito animadores, porém ainda é necessário muito estudo para desvendar todos os mecanismos envolvidos nesse desfecho. Segundo a Dra. Márcia Simões “Não inicie uma dieta restrita como essa sem orientação médica ou nutricional para qualquer paciente seja ele neurológico ou não, é muito importante a avaliação do estado nutricional e se existe deficiência de vitaminas, hormônios e minerais para que o paciente possa ter mais saúde e qualidade de vida”, ressalta.
O Parkinson é uma doença do sistema nervoso central que acontece por níveis diminuídos de dopamina, o que ocasiona vários sintomas como tremores, postura prejudicada, rigidez e dificuldade para andar e escrever. Em um estudo controlado, sete pessoas com mal de Parkinson seguiram uma dieta cetogênica por um mês e após esse período cinco deles demonstraram em torno de 43% de melhora dos sintomas descritos.

O uso da dieta cetogênica como forma de tratamento é antigo existem relatos da época de Hipócrates e no novo testamento porém acabou sendo deixada de lado com o passar do tempo e agora volta a ser foco de diversos estudos da atualidade. Como forma de tratamento ele tem registros a partir da década de 20, onde foi utilizada para a epilepsia.

Mitos e Verdades sobre a Meningite










 
A Meningite Meningocóccica é uma infecção bacteriana séria que pode causar sequelas e até mesmo levar a óbito.1 Por isso, é importante conhecer a doença e saber como se prevenir. Confira abaixo alguns mitos e verdades, com esclarecimentos do Dr. Celso Freitas, infectologista e Gerente Médico de Vacinas da GSK Brasil.
 
Qualquer pessoa, em qualquer faixa etária, tem a possibilidade de desenvolver a doença meningocócica. VERDADE
“A Doença Meningocócica (DM) pode acometer indivíduos em qualquer faixa etária, porém a doença é mais comum em bebês, crianças até cinco anos, e mais rara em idosos.”2,5
 
A meningite meningocóccica é transmitida de pessoa para pessoa, através de secreções respiratórias. VERDADE
“Os meningococos, bactérias que causam a doença meningocócica, podem ser transmitidos de uma pessoa para outra por meio do contato direto com gotículas respiratórias através de tosse, espirro, beijo, beber no mesmo copo ou comer com talheres de outra pessoa.1 Aproximadamente 10% das pessoas, principalmente adolescentes e adultos jovens, possuem a bactéria na garganta ou nariz sem desenvolver a doença – são chamados de portadores assintomáticos.”2
 
Após a exposição à bactéria (meningococo), as manifestações iniciais da doença demoram para se desenvolver. MITO
“A doença caracteriza-se por possuir um início abrupto e evolução rápida, podendo levar ao óbito entre 24 e 48 horas.2 O período médio de incubação da infecção pelo meningococo é de 4 dias, com um intervalo de 2 a 10 dias.1 Geralmente ela se manifesta como meningite, que é uma infecção das membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal. Uma outra forma mais grave da doença é uma infecção do sangue, chamada de meningococcemia.1,2 Ambas podem ocorrer concomitantemente.”3
 
Os primeiros sintomas da doença são coceira e diarreia. MITO
“Os sinais e sintomas iniciais da doença meningocócica — incluindo febre, irritabilidade, dor de cabeça, perda de apetite, náusea e vômito — podem ser confundidos com outras doenças infecciosas.2,4 Na sequência, o paciente pode apresentar manchas arroxeadas na pele, rigidez na nuca e sensibilidade à luz.2,4 Após 15 horas, o quadro clínico geralmente evolui para confusão mental, convulsão, sepse e choque, falência múltipla de órgãos e risco de morte.2,4
 
A meningite meningocóccica pode deixar sequelas ou levar à óbito. VERDADE
“Mesmo quando a doença é detectada precocemente e tratada de maneira adequada, de 10% a 20% dos indivíduos acometidos sofrem com danos cerebrais, perda auditiva ou dificuldade de aprendizado.1 A doença pode ainda ser fatal. Estima-se a ocorrência de pelo menos 500 mil casos de doença meningocócica por ano no mundo, com cerca de 50 mil óbitos.2 O desafio maior é o diagnóstico precoce, já que os sintomas são inespecíficos como os de uma virose.”3,4
 
Uma das principais formas de prevenção é a vacinação. VERDADE
“A vacinação é considerada a forma mais eficaz na prevenção da doença6. Outras formas de prevenção são evitar aglomerações, e manter os ambientes ventilados e limpos.6 É possível minimizar o risco de aquisição da doença através dessas medidas preventivas, para mais esclarecimentos o médico deve ser consultado.”
Atividade física é um meio para sair das limitações e chegar nas potencialidades

Os Jogos Paralímpicos têm colocado em evidência, nas últimas décadas, o esporte para pessoas com deficiência. Desde 1988, eles são realizados na mesma sede, poucas semanas após os Jogos Olímpicos. Esses eventos trazem visibilidade às potencialidades de pessoas que tendem a ser subjugadas em outros contextos sociais, devido a suas limitações físicas. Em um histórico recente, as comparações de rendimento esportivo de Jogos Olímpicos e Paralímpicos se tornaram comuns. A participação do corredor Oscar Pistorius, com próteses nas duas pernas, na equipe de revezamento da África do Sul no atletismo nos Jogos Olímpicos de Londres em 2012, foi um marco para a história do esporte – tanto olímpico como Paralímpico.

Embora os Jogos Paralímpicos sirvam como vitrine para grandes demonstrações, a prática de atividade física e esporte por pessoas com deficiência tem propósitos que vão além do desempenho atlético. Há indícios históricos que algumas atividades hoje consideradas modalidades esportivas serviam para fins terapêuticos há milhares de anos. Atualmente, para além dos benefícios físicos, a possibilidade de criar relacionamentos e interações sociais, a melhoria na autoestima e na confiança, são incentivos extra para a participação nessas atividades.

Entre as pessoas com deficiência, existem diversos tipos e graus, demonstrando que cada caso precisa de uma avaliação específica. Nesse sentido, há um número crescente de profissionais e instituições que se especializam no trabalho com esse público. Atividades esportivas podem proporcionar o sentimento de pertencimento a um grupo e o prazer da prática, além de desenvolver habilidades específicas nas modalidades e capacidades físicas que auxiliam na qualidade de vida. Atividades físicas personalizadas podem melhorar o atendimento das necessidades específicas, como alongamento e fortalecimento, no caso de deficiências físicas, especialmente em graus maiores de comprometimento. Nesses casos, elas complementam as atividades fisioterápicas, que visam a reabilitação e a redução dos impactos dos comprometimentos.

Na perspectiva da inclusão, mais do que um discurso, ainda há muito a ser feito. Podemos reconhecer que as pessoas têm diferentes níveis de habilidades, independentemente de qualquer condição pontual ou crônica. Ainda assim, é comum identificar a exclusão de pessoas com deficiência na escola ou no lazer, assim como ocorre com aqueles menos habilidosos, menos velozes ou menos ágeis. Por isso, a inclusão precisa estar presente na formação, nas reflexões e na prática dos profissionais, invertendo a perspectiva da deficiência para considerar as diferentes habilidades e potencialidades existentes entre os seres humanos.

Autora: Prof. Dra. Bárbara Schausteck de Almeida da Licenciatura e Bacharelado em Educação Física do Centro Universitário Internacional Uninter.

O Verdadeiro Custo do Burnout — e Como Evitá-lo








O Verdadeiro Custo do Burnout — e Como Evitá-lo

*Valerie Bisharat
 
São 4 da tarde: você está no trabalho, mas não importa o quanto você tente, sua mente não consegue se manter focada. E o pior: o prazo para entregar aquele projeto acaba no final do dia.
O estresse diário torna tudo mais difícil e ao final da semana você se sente… esgotado! Aposto que todos nós já tivemos essa sensação. No entanto, essa exaustão pode ser muito mais do que um simples cansaço.
 
E é daí que vem o termo Síndrome de Burnout (em tradução livre, burnout significa esgotamento). Como sabemos que estamos sofrendo dele? Que medidas tomar para recuar e não deixar que a ansiedade tome controle? É sobre isso que irei falar.
 
Curiosamente, pesquisadores ainda não concordaram com uma definição clínica de burnout, mas muitos a caracterizam com três tipos principais de sintomas:

- Exaustão - sensação de cansaço, redução na concentração, e em especial, queda de memória
- Alienação - recusa de convites sociais, pessimismo e ceticismo;
- Desempenho reduzido - perda de prazos, menos envolvimento com compromissos.
 
Todos já nos identificamos com algum dos sentimentos mencionados. Agora, imagine sentir-se dessa forma semana após semana, ou, dependendo da gravidade, por um período maior do que esse. Essa é a maneira como um indivíduo com burnout se sente: como se a lista de responsabilidades excedesse a capacidade de gerenciá-la.
 

Os custos reais do burnout

O peso da síndrome burnout é muito mais sério do que só "ter um dia ruim" ou "estar estressado". A longo prazo, pode provocar efeitos sérios que vão, desde depressão, até a insônia ou problemas gastrointestinais.
 
Sem contar o impacto profundo que o burnout tem naqueles mais próximos: nossa família, amigos e colegas. Ao sofrer com burnout, o indivíduo gera também um estresse profundo nos relacionamentos interpessoais e no trabalho.
 
Outro ponto importante: muitos dos sintomas de burnout têm bastante semelhança com a depressão, no entanto, as esferas atingidas em cada uma das síndromes se diferenciam.
 
O burnout é especialmente relacionado às pressões da vida profissional, enquanto a depressão pode estar ligada às diversas áreas (relacionamentos românticos ou dinâmicas familiares e questões sócio-políticas).

Como saber então se estamos no caminho do burnout?

É claro que os sinais podem variar, mas em geral, os três sintomas que mencionei no início do artigo podem gerar algumas pistas:
 
- Executar tarefas fora da ordem lógica, ter esquecimentos frequentes ou ficar preso em tarefas simples: a exaustão nos leva a "ficar sem combustível" logo no começo da semana, chegamos ao ponto de não conseguirmos nos concentrar, por maior que seja o nosso esforço;

- Sair da cama e ir trabalhar se torna uma tarefa horrível, tornando-se gradativamente, uma situação estressante e carregada de ansiedade. Se estamos nos sentindo mais alienados que o normal, podemos nos tornar irritáveis, cínicos, ou frustrados com as pessoas. Podemos nos deparar cancelando compromissos simplesmente porque não temos energia e descontamos nossas emoções em outras pessoas;

- Por fim, a falta de comprometimento com nosso trabalho, pode se traduzir em uma performance reduzida. Começamos a encarar nosso trabalho de maneira apática, perdemos prazos, podendo cair em um ciclo de culpa: em que ao não fazer nosso trabalho direito, danificamos nosso desempenho ainda mais.
 

Retomando o controle

Quando tomamos o controle de uma situação, estamos nos dando a oportunidade de recuar e (por que não?) rejuvenescer.

Sim, existem fatores que contribuem para a sensação de burnout e fogem do nosso controle. Mas existem estratégias que podemos aperfeiçoar para nos renovarmos:

1) Conte com ajuda de outras pessoas:

Quando parece que a vida está indo rápido demais, pode ser fácil esquecer de pedir ajuda, feedback e apoio de amigos, familiares ou mentores confiáveis.

Mas, às vezes, simplesmente compartilhar como nos sentimos pode nos ajudar a lembrar que não estamos sozinhos. Quando estiver em dúvida, pedir ajuda a um terapeuta pode ajudar a processar estes sentimentos.
 
 

2) Priorize um sono de qualidade

Ter horas consistentes de sono, pode ajudar no aspecto exaustão do burnout.
Desenvolva um ritual de descanso, como diminuir as luzes, acender uma vela ou até escrever em um diário: estes simples passos podem ajudá-lo a relaxar e a dormir mais rápido.

3) Cuide do seu corpo

Assim como o sono, uma nutrição adequada e exercícios regulares podem ajudar a mitigar os sintomas da exaustão. Está cientificamente comprovado: ter uma dieta adequada influencia diretamente o humor e o foco. O exercício promove o fluxo sanguíneo e libera endorfina, nos ajudando a nos sentir melhor com nós mesmos.

4) Mantenha um diário de estresse

Tendo em vista que os sintomas de burnout geralmente são desafiadores de serem notados, pode ser útil avaliar seus sentimentos ao criar um diário de estresse, usando um caderno ou uma ferramenta digital como o Evernote.

Algumas vezes por semana, e sempre que você estiver estressado, experimente fazer um ranking de alguns sintomas de burnout em uma escala de 1 a 10 (1 = este sentimento nem está presente; 10 = este sentimento é terrível):

Estresse:
Sensação de esgotamento:
Menor concentração:
Esquecimento:
Vontade de evitar situações sociais:
Pessimismo:
Apatia:

Você também pode ranquear sua quantidade geral de energia de 1 a 10, sendo 1 totalmente esgotado e 10 sendo 100% empenhado com “pique tota
 
 

 

5) Gerenciar o estresse no local de trabalho

Já que o burnout normalmente é associado ao nosso trabalho, esse é um lugar no qual definitivamente podemos criar um impacto. Não temos que aceitar a noção de que trabalhos são inerentemente estressantes e que não há nada que possamos fazer com relação a isso.
 
Encontre maneiras de estruturar o seu dia para incorporar pequenas pausas e maximizar seus momentos de energia total. Tente reduzir a sobrecarga de reuniões e foque suas horas de trabalho naquilo que importa.
 
No mundo "sempre ligado" de hoje, o estresse pode gerar certa culpa de não conseguirmos acompanhar tudo. Enquanto pode ser tentador camuflar essa sensação em nome da produtividade, o efeito é inverso: isso pode nos aproximar ainda mais do burnout.
 
Desenvolver a autoconsciência é essencial para reconhecermos o que precisa ser (re)ajustado. Usar o tempo para avaliar, relaxar e rejuvenescer pode nos deixar mais saudáveis, mais felizes, e sim, mais produtivos.
 
*Valerie Bisharat é especialista em conteúdo

SEMANA DE CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE A ESQUIZOFRENIA: É HORA DE ACABAR COM O PRECONCEITO










Por Prof. Dr. Mario Louzã, médico psiquiatra, doutor em Medicina pela Universidade de Würzburg, Alemanha. Membro Filiado do Instituto de Psicanálise da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo (CRMSP 34330)

 Há mais de 20 anos ocorre em maio a Semana de Conscientização sobre a Esquizofrenia. Neste ano, ocorre também em 24 de maio o Dia Mundial de Conscientização sobre a Esquizofrenia. 

O que é a esquizofrenia? A esquizofrenia é um transtorno mental que se manifesta no fim da adolescência, início da idade adulta. Atinge cerca de 1 em cada 100 pessoas, mundialmente. Os principais sintomas são os delírios (ideias que são incompatíveis com a realidade da pessoa), alucinações (em geral, auditivas, na forma de “ouvir vozes” que falam com a pessoa, ou lhe dão ordem), comportamento e pensamento desorganizados, entre outros. 

Estes sintomas ocorrem essencialmente na fase aguda da doença (o “surto” psicótico); uma vez tratados, os sintomas diminuem ou desaparecem (o período de remissão), podendo a pessoa vir ou não a ter novos surtos. No período de remissão ficam mais perceptíveis outros sintomas, como apatia, falta de motivação e dificuldade para expressar emoções (as emoções ficam “apagadas”). Por causa destes sintomas, aumenta o isolamento social da pessoa com esquizofrenia. 

O tratamento medicamentoso é feito tanto na fase aguda, para controle dos sintomas, quanto na remissão, para evitar que os sintomas se manifestem novamente. Além dos medicamentos, há uma série de abordagens chamadas psicossociais, para ajudar na reintegração familiar e social da pessoa. 

E qual é o maior desafio que a pessoa com esquizofrenia enfrenta? O preconceito! Vários estudos mostram que a pessoa com esquizofrenia é vista socialmente como "perigosa", "violenta", "imprevisível", "esquisita". Esta visão distorcida gera a discriminação, reduzindo as chances de que uma pessoa com esquizofrenia consiga se reinserir socialmente, consiga um emprego ou uma atividade. Ela terá dificuldade em situações triviais, pois terá que superar barreiras criadas pelo preconceito e a discriminação sociais. 

Como vencer preconceitos e discriminações? O elemento principal é a informação. Conhecer a doença, entender seus sintomas e saber como é feito o tratamento. Informações corretas, obtidas em fontes confiáveis, ajudam a compreender a pessoa com esquizofrenia e se contrapõem às informações distorcidas e arraigadas no senso comum. É um longo trabalho, uma vez que é preciso mudar algo que vem de muitas décadas. No entanto, é fundamental para que a realidade se imponha sobre o preconceito.

Saúde em Belo Horizonte/MG: 'Era uma pessoa maravilhosa', diz colega sobre secretária morta na Câmara de Contagem









saúde em Belo Horizonte/MG
Atualização diária 18 de maio de 2018


NOTÍCIAS

'Era uma pessoa maravilhosa', diz colega sobre secretária morta na Câmara de Contagem
... dentro da Câmara de Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. ... do Corpo de Bombeiros já aguardava para encaminhá-lo ao Hospital João XXIII, em BH. A unidade não informa o estado de saúde de pacientes.
Google Plus Facebook Twitter Sinalizar como irrelevante

Brasil: Gleisi Hoffmann reafirma que PT vai registrar Lula como candidato










Brasil
Atualização diária 18 de maio de 2018


NOTÍCIAS


Gleisi Hoffmann reafirma que PT vai registrar Lula como candidato
A senadora e presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, concedeu entrevista à Rádio Arapuan FM na tarde desta quarta-feira (16) e comentou que, mesmo após 40 dias e prisão, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) mantém o mesmo percentual ...
Google Plus Facebook Twitter Sinalizar como irrelevante



Haddad visita Lula na prisão pela primeira vez nesta quinta
Fernando Haddad visita Lula nesta quinta (17) em Curitiba. É a primeira vez que eles se encontram depois que o ex-presidente foi preso. ​. Leia a coluna completa aqui. 1 4. Lula e Haddad. Minha Folha. O-ex presidente Lula, o governador do Piauí, ...
Google Plus Facebook Twitter Sinalizar como irrelevante



Ação da Petrobras supera valor da 'megacapitalização'
Com o petróleo se aproximando dos US$ 80 o barril, o enfraquecimento do real em relação ao dólar, bons resultados do primeiro trimestre e perspectivas positivas quanto à venda de ativos e ao desfecho da negociação em torno da cessão onerosa, ...
Google Plus Facebook Twitter Sinalizar como irrelevante


Lula diz que não quer indulto
Gleisi Hoffmann, o poste de Lula na presidência do PT, também disse na saída da sede da PF em Curitiba que o condenado não quer saber de indulto. “Hoje ele me disse claramente: 'Tem que parar de falar em indulto para mim. Eu não aceito indulto.
Google Plus Facebook Twitter Sinalizar como irrelevante



Justiça manda prender José Dirceu; ex-ministro tem até as 17h de sexta para se apresentar à PF em Brasília
TRF-4 negou, nesta quinta-feira (17), último recurso de Dirceu em segunda instância de processo da Lava Jato. Advogado informou à Justiça que ele pretende se entregar. Facebook · Twitter. Por G1 PR. 17/05/2018 19h22 Atualizado há 9 horas. TRF-4 nega ...
Google Plus Facebook Twitter Sinalizar como irrelevante



Juíza da Lava Jato determina prisão de Dirceu
São Paulo, 17 - A juíza Gabriela Hardt, substituta do juiz federal Sérgio Moro, na 13.ª Vara Federal de Curitiba, expediu nesta quinta-feira, 17, o mandado de prisão para o ex-ministro José Dirceu (Casa Civil/Governo Lula) começar a cumprir a pena de ...
Google Plus Facebook Twitter Sinalizar como irrelevante



PF vê evidências de que Gleisi recebeu R$ 1 milhão em propina; senadora se diz 'vítima de perseguição'
Inquérito é relacionado a um desdobramento da Operação Lava Jato e apura supostas fraudes em empréstimos consignados aos servidores públicos federais. Facebook · Twitter. Por Camila Bomfim, TV Globo, Brasília. 17/05/2018 21h30 Atualizado há 7 ...
Google Plus Facebook Twitter Sinalizar como irrelevante



Justiça determina prisão do ex-ministro José Dirceu
Juíza substituta da 13ª Vara Federal Gabriela Hardt determinou, há pouco, a prisão do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu. A decisão é para a execução provisória da condenação de Dirceu a 30 anos e nove meses de prisão pelos crimes de corrupção, ...
Google Plus Facebook Twitter Sinalizar como irrelevante



Favorita ao Senado em MG, Dilma está no meio do tiroteio entre PT e MDB
Jornal do Brasil. KATIA GUIMARAES katia.guimaraes@jb.com.br. Desde o impeachment, Dilma Rousseff concentrou a atenção em Minas e hoje conta com apoio de ativistas e militantes de outros partidos – Foto Divulgação. No dia da prisão do ...
Google Plus Facebook Twitter Sinalizar como irrelevante



Dez pessoas são presas em operação contra pedofilia na BA; casa de idosos foi alvo
Policiais em um dos endereços de Salvador onde foram cumpridos mandados (Foto: Divulgação/Polícia Civil). Dez pessoas foram presas em flagrante, na Bahia, nesta quinta-feira (17), durante a segunda fase da Operação Luz na Infância, de combate à ...
Google Plus Facebook Twitter Sinalizar como irrelevante

Jornal de Saúde informa

Férias escolares: momento importante para atualizar a caderneta de vacinação das crianças e adolescentes

Rio de Janeiro, novembro de 2018  – Férias escolares, viagens, família reunida e festas de fim de ano. Além de todas essas comemora...

Jornal de Saúde