terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Vale pagar tão caro para a Máfia do Futebol, ingressos a R$ 80,00 a 300,00 com times cansados, mal treinados desde o inicio

Vale pagar tão caro para a Máfia do Futebol, ingressos a R$ 80,00 a 300,00 com times cansados, mal treinados desde o inicio



É o maior escândalo o valor dos ingressos para jogos do campeonato mineiro que vai variar de R$ 80,00 a 120 e clássicos R$ 160,00 a 200,00 a arquibancada. Isso é uma roubalheira imensa ao povão. Isso é esporte para burguês, como Alexandre Kalil, prefeito de Belo Horizonte, o Daniel Nepomuceno, Federação Mineira de Esportes, Cruzeiro Futebol Clube, agora voltou o senador cujo filho transporta cocaína em helicóptero, para a diretoria do cruzeiro e o torcedor vai e o torcedor torce para uns caras desses que falam que são dirigentes de futebol. Isso é uma Máfia de políticos que se aproveitam de "otários" que apaixonados deixam as calças para ver atletas duvidosos e técnicos que já entram derrotados por números enorme de partidas e julgam que não pode treinar os jogadores e ter um time decente. Vale então pagar tão caro?

https://www.mg.superesportes.com.br/app/noticias/futebol/interior/2017/05/02/noticia_interior,399419/federacao-divulga-detalhes-da-venda-de-ingressos-para-classico-na-fina.shtml


Leia sobre calendário criticado por todos: https://globoesporte.globo.com/mg/futebol/campeonato-mineiro/noticia/com-novo-formato-fmf-divulga-tabela-do-campeonato-mineiro-2018.ghtml



Avelóz(Euphorbia Tirucalli) para curar Câncer, HIV+, HPV e Esclerose Múltipla

Cientistas e médicos brasileiros estão testando em humanos o potencial da planta Aveloz, para o tratamento do câncer. É possivelmente a primeira vez que o Brasil submete um medicamento dessa natureza, obtido em solo nacional, aos rigorosos testes médicos para a aprovação de uma nova droga

A planta é a aveloz (nome científico Euphorbia tirucalli), típica das regiões norte e nordeste do País. Sua ação medicinal já era mencionada na cultura popular, o que motivou a indústria farmacêutica a analisar sua ação em células em cultura e em animais. Os resultados foram bastante promissores.

Ao que tudo indica, a substância age nas células do câncer induzindo a apoptose -- uma espécie de suicídio celular. "É o que chamamos de morte celular programada", explicou o médico oncologista Dr. Auro Del Giglio, gerente do programa integrado de oncologia do Hospital Israelita Albert Einstein e um dos coordenadores do estudo. "Em células normais, é um procedimento que acontece para a renovação das células, com as antigas dando lugar às novas. Mas nas células do câncer isso quase nunca acontece, e a idéia é exacerbar essa tendência."

Com isso, a droga tem o potencial para, se não fazer regredir, pelo menos conter ou reduzir o avanço da doença, induzindo a apoptose de muitas das células do tumor. Não custa lembrar que o câncer é basicamente um agrupamento de células que se rebelaram contra o corpo, multiplicando-se enlouquecidamente e consumindo os recursos do organismo todo em prol de seu próprio crescimento.

In vitro, a droga funcionou contra colônias de células de câncer de mama, melanoma e outros tipos de tumor.

"Nesse primeiro estudo, de fase 1, o que a gente faz é descobrir a dose certa", diz o médico oncologista Dr. Auro Del Giglio. "Esta pesquisa foi realizada com vários pacientes com câncer e conseguimos padronizar a dose necessária. Todavia, optou-se por não prosseguir com esta pesquisa como um tratamento anti-neoplásico, mas está se explorando o possível efeito analgésico desta medicação" acrescentou o médico oncologista Dr. Auro Del Giglio.



Como aqui no Brasil a Ciência não é muito estimulada, e também pelo interesse de laboratórios no exterior a respeito do Aveloz, o estudo foi ampliado e levado para os Estados Unidos. Com o andamento dos estudos, foi feito testes em laboratórios para atestar os efeitos da planta e foi visto além de que tem propriedades para a cura do câncer, também para o controle de HIV. 


O composto e seus derivados semissintéticos demonstraram eficácia para deslocar o HIV “adormecido” das células que servem como seu esconderijo para o sangue. Os mecanismos que resultam nesse efeito não estão totalmente esclarecidos, mas o fato é que o vírus, antes latente, fica ativo novamente e cai na corrente sanguínea, onde é combatido pelos remédios que formam o coquetel.








Descobriram também que a planta tem propriedades para dor e inflamação.




  

Aveloz pode ser a chave para o tratamento da Esclerose Múltipla


Uma das doenças degenerativas mais implacáveis do mundo pode não ser párea para o avelóz, planta milagreira das regiões Norte e Nordeste. Testes em camundongos têm sido extremamente bem-sucedidos





A aveloz pode mudar os rumos do tratamento da Esclerose Múltipla. Apesar de ser cedo para alardear uma revolução terapêutica, a descoberta feita por um grupo de pesquisadores brasileiros pode ser comemorada como uma das melhores notícias dos últimos anos para portadores da doença e seus familiares.
A grande sacada da pesquisa atende pelo nome de avelóz, uma plantinha conhecida tradicionalmente no Norte e Nordeste por seus poderes milagreiros e que de uns tempos pra cá começou a ganhar a atenção formal de cientistas. O estudo foi publicado na renomada publicação Biochemical Pharmacology e está sendo capitaneado pelos pesquisadores Prof. Dr. Rafael Cypriano Dutra e Prof. Dr. João Batista Calixto, ambos da Universidade Federal de Santa Catarina, além do Dr. Luiz Francisco Pianowski, do laboratório Kyolab.
A pesquisa começou há dois anos e seus resultados são bem promissores. “Nós demonstramos que o euphol inibe significativamente o desenvolvimento da Esclerose Múltipla em camundongos quando administrado por via oral. Além disso, nós descobrimos que ele (o euphol) bloqueia seletivamente as células que induzem a doença. Conseqüentemente, os animais tratados com o euphol não apresentam os sinais clínicos da doença”, afirma o Dr. Rafael Cypriano. O tal do euphol vem de Euphorbia tirucalli nome científico da avelóz. Ele é o componente que, quando isolado, combate a doença.
A EM não tem cura e ninguém sabe ao certo o que causa o problema. Mas não há mistério sobre o mal que ela causa: a Esclerose Múltipla é uma doença cruel. A lista de sintomas mais comuns dá uma vaga noção disso: dificuldade de locomoção, perda de coordenação motora, tonturas, disfunções sexuais, distúrbios esfincterianos e fadiga.
A crueldade ganha um aspecto ainda mais traumático quando aliada aos aspectos psicológicos da doença: cerca de 65% dos pacientes sofrem de déficit de atenção e perda de memória, quase sempre acompanhados de um sentimento de ansiedade e depressão.
A Esclerose Múltipla atinge 2,5 milhões de pessoas em todo o mundo. “A doença acomete, principalmente, indivíduos brancos, na faixa etária entre 20 e 40 anos e com forte predomínio sobre o sexo feminino”, diz o Dr. Rafael. No Brasil, há 15 casos para cada 100 mil habitantes. Em alguns países do Hemisfério Norte esse número sobe para 100 ocorrências a cada 100 mil pessoas.
Hoje em dia, uma pessoa com Esclerose Múltipla não gasta menos de 5 mil reais por mês para se tratar, o que “dificulta a adesão dos pacientes”, nas palavras do Dr. Rafael. Ou seja: pouca gente tem grana suficiente para se tratar decentemente.
Quando perguntado se a descoberta pode tornar o tratamento mais acessível, o pesquisador prefere a cautela: “No momento da nossa pesquisa, nós não temos como estimar um valor comercial para o euphol”. A burocracia que separa a descoberta de um remédio em potencial e as prateleiras da farmácia costuma gerar um período de 10 ou até 15 anos de espera.
Enquanto isso, aumenta a esperança de dias melhores para os pacientes que sofrem com o problema.


 AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA Euphorbia tirucalli (Aveloz) SOBRE O CRESCIMENTO DO TUMOR DE EHRLICH EM SUA FORMA ASCÍTICA


PAZ, D.P.A.;LATORRE, A.O..;DA SILVA, T.C.; AKISUE, G.DAGLI, M.L.Z


Laboratório de Oncologia Experimental e Comparada, Departamento de Patologia, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, USP, S

Para o teste de toxicidade, 3 concentrações de látex colhido diretamente da planta e diluído em solução salina: 0,0123%, 0,0246% e 0,0369% foram usadas, correspondendo, respectivamente, à diluição de 3, 6 e 9 gotas de látex em um litro de água mineral.


O teste de toxicidade resultou negativo para todas as doses testadas. Houve diminuição significante na concentração de células tumorais viáveis do grupo tratado em relação ao não tratado.


A diminuição significante da concentração de células tumorais viáveis demonstra efeito antineoplásico da diluição de E. tirucalli na concentração e quantidade ministradas equivalentes à 9 gotas de látex em um litro de água mineral.


  PARA TRATAMENTO DO CÂNCER, HIV E OUTRAS DOENÇAS CRÔNICAS

Retirar o leite da junta do Aveloz e colocar 18 (dezoito) gotas em dois litros de água mineral e tomar um cálice 3 vezes ao dia.


Como retirar o leite do arbusto:


È preciso pingar as 18 (dezoito) gotinhas dentro de um cálice com um pouco de água. Se pingar o leite puro ele vira um grude. Eu uso uma colher e um cálice com um pouco de água, daí vou quebrando os galinhos na junta do Aveloz e aparando os pingos na colher e pondo dentro do cálice com água. 

Depois faço o preparado assim: encho uma garrafa pet de dois litros com água mineral, e vou derramando dentro as 18 (dezoito) gotinhas do leite do aveloz que colhi.

OBS: Tomar bastante cuidado ao retirar o leite da junta do Aveloz, pois ele é altamente TÓXICO e se tiver contato com os olhos poderá cegar.


Para a maioria das doenças existe na fitoterapia a possibilidade de reduzir o tempo da doença e atenuar o sofrimento das pessoas enfermas, enquanto há vida sempre há possibilidade de obter melhoras. Lembrando sempre dos hábitos saudáveis, fazer atividade física, beber 2 a 3 litros de água por dia e uma alimentação saudável a base de legumes, frutas e verduras.


Não vamos sermos radicais! O ideal é combinar a 




A resolução que autoriza a produção de drogas vegetais é de março de 2010, mas as discussões sobre a política nacional de plantas medicinais e fitoterápicos começaram em 2003. Em 2006, a Anvisa liberou o uso das plantas medicinais no serviços de saúde como tratamento complementar.



A Anvisa publicou resolução que proíbe a distribuição e comercialização em todo o País, do produto AVELOZ, nome científicoEuphorbia tirucalli L. A resolução Nº 2.917, foi publicada em 06 de julho de 2011, e está assinada pelo diretor da diretoria colegiada da Anvisa, Jaime César Moura Oliveira.








De acordo com o documento vêm sendo constatadas irregularidades na comercialização do produto em todo o País, com indicações terapêuticas para tratamento de câncer e outras doenças de alta complexidade.
O referido documento traz as seguintes determinações:


Ministério da Saúde


Agência Nacional de Vigilância Sanitária
RESOLUÇÃO – RE Nº 2.917, DE 6 DE JULHO DE 2011
O Diretor da Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das atribuições que lhe conferem o Decreto de nomeação de 31 de março de 2011, da Presidenta da República, publicado no DOU de 1º de abril de 2011, o inciso VIII do art. 15, o inciso I e o § 1º do art. 55 do Regimento Interno aprovado nos termos do Anexo I da Portaria n.º 354 da ANVISA, de 11 de agosto de 2006, republicada no DOU de 21 de agosto de 2006, e a Portaria Nº 787, de 9 de junho de 2011;
considerando o art. 16, da Lei Nº 6.360, de 23 de setembro de 1976;
considerando o art. 7º, XV, da Lei Nº 9.782, de 26 de janeiro de 1999;
considerando, ainda, a constatação de que o produto vem sendo irregularmente comercializado no País, com indicações terapêuticas para tratamento de câncer e outras doenças de alta complexidade, resolve:
Art. 1º Proibir, como medida de interesse sanitário, em todo o território nacional, a distribuição e comercialização do produto AVELOS (ou AVELOZ), nome científico Euphorbia tirucalli L., bem como a manipulação ou fabricação de medicamentos contendo tal substância, por não ter sido submetida a testes de segurança e eficácia perante esta Agência.


Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.


JAIME CÉSAR DE MOURA OLIVEIRA
(Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União)




DO BLOG:

A humanidade tem sofrido nas últimas décadas de diversos males corporativistas em relação a saúde (entre outros), intoxicação da vida moderna e sintética.

Há descaso e descuido do sistema médico, falta de ética e arrogância em não favorecer a cura pelas vias naturais, em equilíbrio com o avanço da medicina.

 
Debochando sistematicamente de quem cuida da saúde com produtos naturais e, se não bastasse, aproveitando-se do poder desvirtua ou impede que as alternativas de saúde sejam utilizadas pelos mais leigos.
 
Não deveria ser o sistema de saúde a favor de todos os meios possíveis para favorecer a cura e diminuir o sofrimento humano? 

Não deveriam ser os profissionais da saúde, pesquisadores natos, de mente aberta amantes do conhecimento e da aventura em ampliar a cada dia mais as alternativas de cura?



AVELÓS

Euphorbia tirucalli

planta de origem africana, popularmente conhecido como pau-pelado, chamou a atenção quando sua ocorrência foi associada a presença do virus Epstein-Barr.
Descrição : Da família das Euphorbiaceae, também conhecida como graveto-do-cão, figueira-do-diabo, dedo-do-diabo, pau-pelado, árvore de São Sebastião.
Planta suculenta, muito semelhante a um cacto, pode crescer até 10 m de altura.
O tronco principal e ramos principais são lenhosos, marrom-claro ou pardacentos.
Os ramos jovens são verdes, cilíndricos, lembram um lápis e é um de seus nomes populares.
As folhas são minúsculas, caem muito cedo e suas funções são desempenhadas pelos brotos mais jovens.
Toda a planta verte um látex branco e cáustico quando cortada.
Habitat: A planta é nativa das Montanhas Atlas, no Marrocos. Tem uma ampla distribuição na África, sendo destaque presentes no nordeste, central e sul da África.
Também pode ser nativa em outras partes do continente, bem como algumas ilhas próximas e na Península Arábica, foi introduzida para muitas outras regiões tropicais.
Hoje está naturalizada em áreas tropicais da Amazônia, Brasil, África, Ilhas Canárias e Madagáscar; Muito usado como cerca viva e como barreira protetora contra incêndios.
História: Os estudos com o Avelós começaram porque vários pesquisadores notaram que a incidência do vírus Epstein-Barr e certo tipo de linfoma eram endêmicos em lugares onde esta planta era utilizada.
Avelós também é chamado planta-de-petróleo porque produz um hidrocarboneto muito parecido com a gasolina.
Chegou a ser estudada pela Petrobras, na década de 1980, pois esta substância pode ser extraída em refinarias convencionais: a estimativa seria entre 10 e 50 barris por hectare cultivado.
Isso levou o químico Melvin Calvin * propor a exploração de mata de a veloz para a produção de petróleo.
Esta utilização é especialmente atraente por causa da habilidade da planta para crescer na terra que não é adequada para a maioria das outras culturas.
Também tem sido utilizado na produção de borracha, mas isso não foi uma medida muito bem sucedida. O a veloz também tem usos na medicina tradicional em muitas culturas.
Parte tóxica : Todas as partes da planta.
Indiciações : Verruga, calo, câncer, sífilis, tumor canceroso e pré-canceroso, neoplasias neuralgia, cólica, asma e gastralgia.
Propriedades : Ela tem sido usada para tratar câncer, excrescências, tumores, verrugas em lugares tão diversos como Brasil , Índia , Indonésia , Malabar e Malásia.
Também tem sido usado como um remédio de asma, tosse, dor de ouvido, nevralgias , reumatismo , dor de dente, e verrugas na Índia.
Há algum interesse em usar o látex como tratamento do cancro.
No entanto Euphorbia tirucalli tem sido associada com o linfoma de Burkitt e suspeita-se que possa ser um cofator da doença ao invés de um tratamento.
Princípios ativos: Éster 4-deoxiforbólico, beta-sitosterol, casuariina, corilagina, cicloeufordenol, ácido gálico, glicosídeos, euforbina, eufol, euforcinol.ciclotirucanenol, ácidos elágicos, euforeno, hentriacontano, hentriacontanol, ingenol, isoeuforal, caempferol, pedunculagina, fenóis, ésteres fórbicos, proteases, putranjivaína A e B, acetatos de sapogenina, ácido succínico, taraxasterol, taraxerina, tirucalol e tirucalina A e B
Modo de usar:
Uso interno: em um copo de água (200ml) acrescentar 1 gota do látex. Beber 3 vezes ao dia este volume, pela manhã, meio dia e a noite, por uma semana.
Na segunda semana passar para 2 gotas, na seguinte passar para 3 gotas e 4 semanas usar 4 gotas; 6 gotas de látex do aveloz em 2 litros de água.
Tomar um copo 3 vezes ao dia; 1 gota de látex em 1 copo de água. Tomar 1 colher (sopa) a cada hora. Preparar somente no momento de usar.
Uso externo: dores reumáticas: passar o leite diluído 2 a 3 vezes ao dia; verruga e calo: pingar 1 gota do látex.
Toxicologia: Doses elevadas são tóxicas e podem coagular o sangue.
O látex é irritante e cáustico à pele. Se o látex atingir os olhos, pode destruir a córnea. Por ser altamente caustico, o látex precisa ser diluído em água.
O látex puro pode provocar hemorragia.
Ésteres de forbol são estudados como agentes promotores de tumor, induzindo a formação do linfoma de Burkitt e carcinoma nasofaríngeo.
O uso excessivo pode provocar: intensa queimação; pálpebras inchadas; dor ardente do globo ocular; visão borrada; erosão do epitélio córneo; acuidade visual diminuída; fotofobia e cegueira temporária. Pode ser até letal.
Tratamento:
Lesões de pele: cuidados higiênicos, lavagem com permanganato de potássio 1:10.000, pomadas decorticóides, anti-histamínicos VO.
Ingestão: Evitar esvaziamento gástrico. Analgésicos e antiespasmódicos.
Protetores de mucosa (leite, óleo de oliva). 
Casos graves: corticoides.
Contato ocular: lavagem com água corrente, colírios antissépticos, avaliação oftalmológica.
Contraindicações: Planta tóxica - uso desaconselhado; Pode levar à morte, o contato com os olhos pode causar cegueira; o contato com a pele causa queimaduras, úlceras e dermatite; O uso interno do látex pode causar hemorragias e úlcera estomacal. O uso interno, mesmo em quantidades mínimas e diluído pode causar náuseas, vômitos, diarreias e ulceração da boca e garganta.
aveloz
avelozavelozaveloz
Farmacologia: A farmacologia dos princípios ativos não referenda nenhum de seus usos na medicina herbalista. Ao contrário, seus compostos o tomam-no inadequado para seus usos tradicionais, especialmente o câncer. O látex do Avelós é muito rico em terpenos - estes esteres fórbicos são muito irritantes é há comprovação clínica de que eles são causadores de tumores.
Particularmente um deles, o éster 4-deoxiforbólico, foi documentado clinicamente corno promotor da infecção pelo EBV, danificador do DNA das células de imunidade e supressor do sistema imunitário geral. E com o agravante de um extraio de avelós ter provocado a incapacidade das células T de matar o EBV. O EBV é umas das viroses humanas mais comuns, acredita-se que 95% da população adulta dos EE.UU tenham contraído o vírus em alguma época de suas vidas. Após a infecção inicial ele permanece inativo no sistema imunológico (dentro das células B). Uma infecção por Epstein-Barr pode levar à mononudeose e outros portadores podem desenvolver algum tipo de câncer, tanto linfoma de Burkitfs quanto carcinoma naso-faríngico.
As pesquisas começaram pela observação de que nas áreas africanas onde o Avelós era usado como medicamento, geralmente para parasitoses ou como cerca viva havia uma endemia de EBV e linfoma de Burkitfs.
E a conclusão foi que a exposição direta ao látex ativa infecções latentes do Epstein-Barr e hoje é considerada um fator causal no desenvolvimento do linfoma de Burkitfs, um linfoma não maligno (linfoma de Hodgkkin) que é associado ao EBV.
Na pesquisa, o tratamento de linhagens de células de linfoma de Burkitfs com o látex reativou o EBV latente e provocou crescimento geral do tumor. Desde a década de 70 o Avelós tem sido associado à "cura" para o câncer - com o látex sendo usado interna e externamente.
* Melvin Calvin Ellis (08 de abril de 1911 - 08 de janeiro de 1997) foi um americano químico mais famoso pela descoberta do ciclo de Calvin , juntamente com Andrew Benson e James Bassham , para o qual foi concedido em 1961 o Prêmio Nobel de Química. Ele passou a maior parte de sua carreira, na década de cinco University of California, Berkeley.




Ligue 31 3077-4513 e vamos aumentar a pesquisas de pessoas que usararam essa planta para diversos fins e conseguiram êxito.

Jornal de Saúde informa

Carvoaria mantinha 23 trabalhadores em situação degradante em Minas Gerais

FISCALIZAÇÃO Carvoaria mantinha 23 trabalhadores em situação degradante em Minas Gerais Todos eles  foram resgatados em ope...

Jornal de Saúde