domingo, 13 de agosto de 2017

Diante de crise política, partidos mudam de nome para atrair eleitores em 2018


polticia nacional
Atualização diária  13 de agosto de 2017
NOTÍCIAS
Comissão da reforma política tem alternativa para fundo de campanha
A comissão que discute a reforma política aprovou esta semana a criação de um fundo para financiar as campanhas eleitorais. Esse fundo teria um ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Repatriação de dinheiro do exterior rendeu só 12% do esperado e complica orçamento
O presidente da Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Unafisco), Kléber Cabral, avalia que a proximidade entre a ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Doria usa 'ovada' para fazer marketing
Dias após ter sido alvo de ovadas em Salvador, o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), promoveu uma ação de marketing nesta sexta-feira (11), ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Diante de crise política, partidos mudam de nome para atrair eleitores em 2018
Presidente do Podemos, a deputada federal Renata Abreu (SP) explica que a troca do nome Partido Trabalhista Nacional (PTN), realizada no final de ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Polícia Nacional redobra o trabalho
O secretário de Estado do Interior para o Asseguramento e Técnica exortou ontem os efectivos da Brigada Especial de Trânsito e da Polícia de ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Cinco anos, cinco temas. Os momentos-chave da política nacional
Cinco momentos, cinco protagonistas principais. A política faz-de pessoas e das suas ideias, faz-se de ideologias e de negociações, de vitórias e ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante

Contra a corrente, avança a dieta com base em gorduras


saúde em geral
Atualização diária  13 de agosto de 2017
NOTÍCIAS
Prefeitura de Ponta Grossa fiscaliza atividades no setor de Saúde
Desde o início deste ano, a Prefeitura Municipal de Ponta Grossa, através da Controladoria Geral do Município (CGM), está realizando uma série de ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Contra a corrente, avança a dieta com base em gorduras
... dieta ser restritiva, é necessário reduzir de forma agressiva o consumo de carboidratos, o que pode afetar desde o humor até a saúde do paciente.
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Município do Nortão tem 7ª melhor saúde financeira do país, aponta pesquisa
O município de Cláudia (90 km de Sinop) ficou em primeiro lugar no ranking estadual e em sétimo lugar no ranking nacional da pesquisa realizada ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Sinop: suspeito se passa por agente de saúde e tenta estuprar idosa
Uma mulher de 62 anos estava sozinha em sua residência, no bairro Jardim Botânico, ontem à tarde, quando o suspeito bateu palmas no local.
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Homens cuidam menos da saúde e vivem 7,2 anos menos que as mulheres
A rede pública de saúde oferece uma série de exames e outros procedimentos fundamentais para a saúde do homem. Nos postos e hospitais, eles ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Doenças cardiovasculares são as principais causas de óbito em todo o mundo
Essa auto-imposição, digamos assim, afeta a saúde de modo geral, em vários níveis, e provoca problemas cardíacos nessa faixa etária que vai dos ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Conheça mais uma forma de usar as folhas de Graviola no tratamento do câncer
... eficazes tanto na prevenção como no processo curativo, além de colaborarem para o fortalecimento da imunidade e da saúde de uma forma geral.
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Programa Empresa Cidadã estende Licença-paternidade para 20 dias
Também poderá ser entregue comprovante do curso on-line Pai presente: cuidado e compromisso, do Ministério da Saúde. As empresas podem ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante

A Procuradoria do Estado de Minas Gerais nem comparece a audiência de processos contra o Estado e manda arquivar processos que democracia é essa?

Ao
Conselho de Magistrados ou Desembargadores
Ref. ao Processo: 9065561.15.2014.813.0024 tramitando 1044 dias.


Solicito o direito de revisar, totalmente, o processo acima citado, devido desde a sentença até a sentença fina do processo haver arbitrariedades contra o autor Marcelo dos Santos, que deixou paralisar o investimento que fazia em sua pequena empresa devido a falta de citação por parte do Juizado Especial, por exemplo, Juíza e Turma Recursal. Sentença se a devida citação ao autor e intempestiva por parte do Banco do Brasil, sendo que duas semanas antes havia sido abolido esse tipo de contestação e ainda; o Banco do Brasil, havia perdido todos os prazos legais dentro do processo de contestar. Mesmo assim, a dra. Claudia Luciene Silva Oliveira, sem avisar ao autor nem pessoalmente, oralmente e nem através de ofício dentro do processo ou citação, sobre a necessidade de contestação por parte do autor.
Consta ainda riscado a Petição onde o autor pego da maior surpresa se manifesta nos autos. Sendo que a dra. já havia mandado arquivar.
Consta ainda que o Banco do Brasil está inerte desde o decidido pela dra.
Isso levou o autor a processar o Estado de Minas Gerais em processo que terá audiência em 29 de setembro às 16 horas. Onde o Estado já pediu o arquivamento do processo e nem comparecerá à audiência, onde está a democracia e a justiça que esse Tribunal Especial apregoa? Processo 
9000545.12.2017.813.0024 - 215 dias em tramitação

Portanto, estou encaminhando essa reclamação sobre estes dois processos, pois já prática da Procuradoria do Estado de Minas Gerais, não comparecer e tampouco comprovar a ilegalidade, pois há, o Estado deixou de aplicar a Lei 9.099/95 na figura da juíza Claudia Luciene Silva Oliveira, diversas vezes cometendo Abuso de Autoridade contra o autor Marcelo dos Santos.

Abaixo, cópia do enunciado do Boletim de Ocorrência contra a juíza.

Peço Deferimento.

Belo Horizonte, 13 de agosto de 2017

Marcelo dos Santos

À
Delegacia de Polícia Civil de Belo Horizonte do Estado de Minas Gerais.

Solicito conforme a Lei de Abuso de Autoridade - Lei nº 4.898, de 9 de dezembro de 1965, que seja aplicado ao Dr. Juiz de Direito do Juizado Especial de Relações de Consumo da 9a. Jurisdicional Civil, CLAUDIA LUCIENE SILVA OLIVEIRA, cito na av. Francisco Sales, 1446 - Bairro Santa Efigênia - BH/MG. O processo 9065561.15.2014.813.0024 tramitando 1044 dias.
O primeiro Abuso de Autoridade foi quanto a Lei 9.099/95 onde o autor Marcelo dos Santos, segundo a Lei, teria Direito a Perdas e Danos Morais. O autor depositou R$ 350,00 no Banco do Brasil em sua conta corrente e depois de 40 minutos o dinheiro sumiu totalmente. O autor ficou sem dinheiro para transporte coletivo, alimentação e para pagar conta de internet e parte do aluguel. Isso lhe causou constrangimentos de pedir dinheiro emprestado e humilhação por parte do sr. João Eusébio de Arruda, peço que seja citado em juízo a rua Além Paraíba, 204 - Lagoinha - BH/MG. Cep 30210-120  que ameaçou lhe despejar o que ocasionou, posteriormente, sua mudança de endereço.
Mas, a doutora mandou o Banco devolver a quantia para minha corrente. Na época pedi para até decidir a questão o Banco não sujasse meu nome, pois estava em dia com pagamento de empréstimo ao Banco do Brasil. Ocorre que mais uma vez, a dra. Claudia passou em cima do meu direito e deixou que o Banco incluísse meu nome no Serasa/SPC e outros. O que causou constrangimento e novas humilhações.
Insatisfeito com tudo isso e sempre procurando pela Dra. Claudia que nunca podia me atender e quando o fazia sempre se manteve inóspita e arredia. Contratei um advogado o Dr. Felipe Rabelo dos Santos para entrar com pedido de Perdas e Danos Morais, para a Turma Recursal.
Mais uma vez, o meu direito foi desrespeitado, a dra. Claudia e Secretaria, não avisaram ao advogado, tampouco no processo eletrônico, que o juiz não daria Justiça Gratuita para o autor Marcelo dos Santos, que havia formulado pedido e possui direito na Lei 9.099 e assim quando tomou ciência do fato a Turma Recursal havia devolvido o processo e se recusara a analisar e conceder ou não os pedidos do autor e advogado constituído e pago. Ressalva-se, o autor teria direito de citação em sua residência e não foi citado. Apenas prejudicado.
O autor destituiu os advogados e começou ele mesmo a movimentar o processo. Nunca conseguia que a dra. Cláudia despachasse algo a seu favo. Quando decidiu reclamar pela primeira na Corregedoria à época o juiz Corregedor era o dr. Francisco, hoje presidente do Juizado Especial. 
A partir daí começou o processo a ser despachado. No entanto, não conseguia receber nem os R$ 350,00 que ela havia determinado que o banco me devolvesse. É preciso frisar e esclarecer que o banco tinha que devolver o dinheiro que havia tirado indevidamente da minha conta - cobrança indevida gera indenização -. Não devolvia.
Solicitei que se aplicasse multa para que o Banco devolvesse o dinheiro. O Banco não devolveu e ficou o processo no prazo de 60 dias sem que o Banco se pronunciasse a respeito, quem era o presidente do Banco era o corrupto que está preso o sr. Brandini.
Esse fato gerou uma multa de R$ 14.700,00 que a Contadoria fez os cálculos. Mais uma vez a dra. Claudia usou de seu livre arbítrio e de sua autoridade de juíza e demandou contra o autor Marcelo dos Santos. Ela devolveu o processo para a Contadoria e diminuiu o valor ao critério dela para R$ 8.300,00 parece que estabeleceu nesse dia que ela não tinha interesse algum em pagar essa multa ao autor. figurativamente.
O autor sempre atendo ao processo, procurava conversar com a dra. Claudia que agia com suprema autoridade, não atendia, era ríspida quando a encontrava por informação de funcionárias de seu gabinete, maltratava o autor publicamente com resposta ríspidas e não se importava com os apelos de final de ano, festas e a necessidade receber meus R$ 350,00 que o banco nunca pagava. E pedia a execução e ela não solucionava a pendência e isso transcorria o tempo entre 10 meses ou mais.
Tudo isso descrito acima caracteriza Abuso de Autoridade da Dra. Claudia que ainda preparava o Gran Finale do processo.
Após a mudança de advogado do Banco do Brasil, com pedido de Execução Forçada, o Banco paga inesperadamente a grande quantia de R$ 350,00 depois de quase 12 meses de batalha judicial com a dra. Claudia e autor. Vale salientar, o banco pagou, mas por DEVOLUÇÃO, o banco não indenizou hora nenhuma o autor Marcelo dos Santos.
A batalha seguinte foi para receber R$ 8.300,00 quem levou 12 meses para receber R$ 350,00 iria levar 3 anos para receber outros. Porém, com o processo na Corregedoria renovado o pedido de atenção para o andamento e decisões da juíza. Esse pedido prosperou e a juíza pediu o Bacen Jud do banco plenamente realizado na legalidade e prazos e o dinheiro foi pago.
Ocorre que quando estava para pedir o Alvará o advogado do Banco do Brasil, peticionou e argumentar com a juíza textualmente: "...que se a juíza pagasse ao Autor Marcelo dos Santos, o valor R$ 8.300,00 estaria penalizando duas vezes o Banco do Brasil visto que havia pago R$ 350,00 corrigidos para R$ 416,00".
Nesse fato, a arbitrariedade se consuma, a dra. Claudia usa e abusa do Abuso de Autoridade. A procurei diversas vezes em seu gabinete e nunca fui recebido. A única vez a encontrei no corredor para pegar elevador e me atendeu rapidamente e disse que estava analisando meu processo. Perguntei se devia fazer alguma coisa ela disse que ia analisar e se pronunciar no processo.
O meu susto quando abri o processo eletrônico ao qual tenho acesso e deparei com a Decisão da Juíza que acatou o pedido ilegal, imoral e totalmente fora da lei do advogado do Banco do Brasil, sem base em lei e sem lógica, nenhuma. E, ainda mandou arquivar o processo. Ou seja, essa juíza me enganou duas vezes, me tranquilizou sobre o processo e depois aceitou o pedido do advogado que é falso, ele afirma que pagou, como se fosse indenização ao autor. Enquanto que consta nos autos que o Banco foi punido a devolver os R$ 350,00 que corrigidos devolveu R$ 416,00 e isso não é punição duas vezes ao Banco.
Ocorre que o Banco do Brasil, consta nos autos não tinha o direito de apelar intempestivamente por outro motivo. Duas semanas antes, o direito de pedidos intempestivos havia sido abolido e o Banco fez uso desse recurso. Novamente o autor é vítima de Abuso de Autoridade por parte da juíza e advogado que atropelam o direito do Autor.
Na sexta feira fui no atendimento e peticionei. Na segunda feira me liga a estagiária e me pede que retorne lá e procure por ela pois caso contrário levaria uma multa de até R$ 1.700,00 por Litigância de Má Fé. Portanto, para não levar a multa, minha petição foi riscada e não consegui mais me pronunciar no processo.
Portanto, com a descrição, um tanto longa, coloco todo o processo supracitado, como anexo e prova dos seguidos Abusos de Autoridade, sofridos pelo Autor Marcelo dos Santos, que perdeu mais de dois anos e quantia considerável em dinheiro o que ocasiono processo contra o Estado de Minas Gerais, gerando com esses erros, mais despesas para o contribuinte. Com pedido de reparação material.
Peço deferimento.
Marcelo dos Santos

Belo Horizonte, 14 de agosto de 2017

Jornal de Saúde informa

Vamos estudar: Aplicação do cdc ao comércio eletrônico: apontamentos acerca do projeto de atualização n 281/2012

[PDF]   Aplicação do cdc ao comércio eletrônico: apontamentos acerca do projeto de  atualização  n 281/2012 JA Mor...

Jornal de Saúde