quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Mato Grosso recebe recurso contra a malária


jornal de saude
Atualização assim que ocorre  15 de dezembro de 2016
NOTÍCIAS
Mato Grosso recebe recurso contra a malária
Dos quase R$ 12 milhões que o Ministério da Saúde (MS) pretende investir nos nove estados localizados na região Amazônica para intensificação ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Vítimas de acidentes de terça permanecem em estado grave
Sobre o acidente da rodovia, a assessoria de comunicação da Santa casa divulgou boletim informativo na tarde de ontem, do estado de saúde do ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Comissão aprova Orçamento de R$ 3,7 trilhões para 2017; texto vai a plenário
O senador também explicou que, em função da PEC, o mínimo constitucional referente à saúde (15% da receita corrente líquida) passa a vigorar em ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante

Atriz Marilu Bueno é internada em estado grave


jornal de saude
Atualização assim que ocorre  15 de dezembro de 2016
NOTÍCIAS
Atriz Marilu Bueno é internada em estado grave
A assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Saúde confirma a informação e relata que a atriz foi levada à coordenação de emergência na ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante

Estudo da Fiocruz aponta anormalidade em 46% das gestantes infectadas pelo vírus zika

Estudo da Fiocruz aponta anormalidade em 46% das gestantes infectadas pelo vírus zika

Pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e da Universidade da Califórnia (UCLA) descobriram que as anormalidades provocadas pelo vírus zika em bebês antes do nascimento são mais variadas e frequentes do que se acreditava. A maior pesquisa de coorte já realizada sobre zika registrou anormalidades em 46% das 125 gestações analisadas. Destas, 97 foram acompanhadas no Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz). O estudo sugere que os danos fetais provocados pelo vírus zika podem ocorrer ao longo de toda a gravidez e são muito mais variados do que apenas a microcefalia. Além disso, algumas anomalias só podem ser detectadas apenas semanas ou meses após o bebê ter nascido, segundo a chefe do Laboratório de Pesquisa Clínica em Doenças Febris Agudas do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz) e uma das autoras do estudo, Patrícia Brasil.

Um bebê aparentemente normal pode apresentar algum tipo de anormalidade não detectada em exames usuais de rotina. É muito importante saber isso, porque, quanto mais precoce for o diagnóstico, mais oportunas e efetivas poderão ser as medidas de intervenção que assegurem o melhor desenvolvimento dessas crianças”, afirmou a pesquisadora, destacando que a concepção e a execução do estudo são frutos de colaboração estruturada e fortalecida entre os institutos da Fiocruz, com financiamento principal do Ministério da Saude do Brasil.

O novo estudo, publicado no New England Journal of Medicine http://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa1602412?query=featured_home, foi baseado em uma amostra maior de 345 mulheres do Rio de Janeiro, que foram inscritas de setembro de 2015 a maio de 2016. Destas mulheres, 182 (53%) tiveram resultado positivo no teste para zika no sangue, na urina ou em ambos. Além disso, foi descoberto que 42% das mulheres que não tiveram zika estavam infectadas com chikungunya e que 3% das mulheres com zika também foram infectadas por chikungunya.

Desta amostra inicial, os pesquisadores avaliaram 125 mulheres infectadas por zika e 61 não infectadas com o vírus que haviam dado à luz até julho de 2016. O estudo anterior foi baseado principalmente em descobertas pré-natais por meio de ultrassom; em contraste, a nova pesquisa avaliou bebês nascidos de gestações afetadas por zika usando exames físicos e ressonâncias cerebrais. Outra novidade diz respeito a possibilidade de diagnóstico da zika através do líquido amniótico.

Para o coautor do estudo e gerente da Área de Atenção Clínico-cirúrgica à Gestante do IFF, José Paulo Pereira Júnior, a nova pesquisa apontou que a microcefalia é apenas uma parte do espectro do que atualmente é chamado de Síndrome da Zika Congênita. “Com o aumento da amostra, identificamos que outras alterações, tão importantes quanto a microcefalia, estão sendo observadas em uma parcela considerável das gestantes expostas ao vírus”. Ele destaca ainda a importância do estabelecimento de um protocolo específico para acompanhamento dessas pacientes durante o pré-natal e também no momento do parto. “O parto normal pode e deve ser indicado em casos de diagnóstico de microcefalia, em que o bebê esteja hemodinamicamente estável,” explica o obstetra.

Já a responsável pela pesquisa clínica do Instituto, Maria Elisabeth Moreira, que também participou da pesquisa, reforça para a importância de estimular os bebês nos primeiros meses de vida. “É importante destacar que valorizamos também alterações neurológicas menores. Não podemos perder a janela de oportunidade de encaminhar essas mães para a estimulação precoce, que pode fazer toda a diferença para o desenvolvimento dos bebês. Nessa época, o cérebro ainda está crescendo, e as crianças respondem muito bem à estimulação, substituindo células doentes por células normais”, disse Moreira.  

A pesquisa dá continuidade a um estudo https://agencia.fiocruz.br/estudo-analisa-infeccao-por-virus-zika-em-gravidas-do-rio desenvolvido pela Fiocruz em março, que usou testes moleculares para encontrar uma associação entre a infecção por zika em mulheres grávidas e uma série de problemas incluindo morte fetal, crescimento fetal anormal e danos ao sistema nervoso central. Este é o maior estudo até aqui a acompanhar mulheres desde o momento da infecção até o fim da gravidez. Todas as mulheres foram inscritas antes de serem identificadas anormalidades em suas gestações.

Uma equipe multidisciplinar esteve a frente do acompanhamento dos bebês durante sua primeira infância, quando “manifestações neurológicas mais sutis não são identificáveis”. Exames posteriores, portanto, podem vir a descobrir outros problemas neurológicos não detectáveis no começo da vida dos bebês. “Nossos dados mostram que os riscos de complicações severas no desenvolvimento fetal após a infecção por zika são substanciais”, ressaltam os autores no artigo.

professora de pediatria clínica da Divisão de Doenças Pediátricas Infecciosas da Escola de Medicina da UCLA e também autora do estudo, Karim Nielsen, definiu os resultados do estudo como “graves”. “Descobrimos que a microcefalia não é a alteração congênita mais comum do vírus zika e que a ausência desta condição não significa que você teve um bebê normal”, disse Nielsen. “Há muitos problemas que não são aparentes no nascimento. Os recém-nascidos podem parecer normais, mas não o serem aos seis meses, e há toda uma vasta gama de problemas”.

Na Fiocruz, o estudo foi enquadrado como prioritário pelo gabinete de enfrentamento à Emergência Sanitária, criado em dezembro de 2015 em função da crise da zika. Por isso também, foi indicado para encomenda de financiamento CAPES pelo coordenador do gabinete e vice-presidente de Pesquisa e Laboratórios de Referência da Fiocruz, Rodrigo Stabeli. “O gabinete julgou essencial o entendimento do progresso das infecções congênitas pelo vírus zika e por isso incentivou o desenho experimental apresentado pelo estudo via encomenda Capes. Estamos ainda mobilizados institucionalmente para gerar respostas e soluções frente a este grave problema de saúde pública mundial”, ressaltou.

A pesquisa é financiada pelo Departamento de Ciência e Tecnologia do Ministério de Saúde do Brasil, pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj) e pelo Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos (Niaid/NIH).

Destaques da pesquisa:
• Ocorreram nove mortes fetais em mulheres com zika durante a gravidez. Dentre essas, cinco foram no primeiro trimestre de gestação;
• Mortes fetais ou anormalidades em bebês foram verificadas em 46% dos casos de gestações de mães que testaram positivo para zika, em contraste com 11,5% das mulheres que testaram negativo para zika;
• 42% dos bebês que nasceram de mães infectadas por zika sofria de microcefalia, lesões cerebrais, calcificações cerebrais, lesões na retina, surdez, dificuldades para se alimentar, entre outras complicações;
Os problemas foram verificados em todas as etapas da gravidez: 55% das mulheres infectadas no primeiro trimestre foram afetadas, 51% no segundo e 29% no terceiro.

Greve dos trabalhadores da Saúde Mental será julgada nesta quinta


jornal de saude
Atualização assim que ocorre  15 de dezembro de 2016
NOTÍCIAS
Ramalho Eanes preocupado com estado de saúde de Mário Soares
"A ele se deve em grande parte a liberdade de que usufruímos e a democracia consolidada de que o Portugal actual dispõe", afirmou o ex-chefe de ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
MP pede a perda dos direitos políticos de futura secretária de Saúde de Crespo por improbidade
O promotor Orlando Bastos Filho pediu à Justiça que os direitos políticos da médica Janayne Andréa Marques de Farias Maffeis sejam suspensos por ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Greve dos trabalhadores da Saúde Mental será julgada nesta quinta
Uma audiência marcada para esta quinta-feira (15), às 10h30, no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), em Campinas, deverá definir a continuidade ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Zona Azul em papel terá tempo extra, diz Doria
A fila para exames na saúde será combatida com o Corujão da Saúde, projeto emergencial que, durante três meses, deve usar horários ociosos em ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante

Problemas de nascimento acontecem em 6% das gestações com zika


jornal de saude
Atualização assim que ocorre  15 de dezembro de 2016
NOTÍCIAS
Discutido reforço da cobertura sanitária
Os investimentos nos sistemas de saúde são uma importante garantia para consolidar as sociedades, afirmou em Windhoek, capital da Namíbia, ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Mosquito põe 80 cidades em risco
A Secretaria de Estado de Saúde deu início nessa quarta (14) à Campanha de ... a mobilização da população e a contratação de agentes de saúde. ... em rádios da capital e do interior, em jornais e cartilhas que serão entregues à ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Número de fumantes passivos no trabalho cai 34% em cinco anos
Levantamento do Ministério da Saúde mostra que o número de fumantes passivos no trabalho caiu 34,4% em capitais entre 2011 a 2015. Palmas (50 ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
jornal de saude
Atualização assim que ocorre  15 de dezembro de 2016
NOTÍCIAS
Problemas de nascimento acontecem em 6% das gestações com zika
... ligado à infecção durante a gestação, de acordo com o estudo publicado no periódico “Journal of the American Medical Association“. Um total de ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Pesquisa mostra alterações em parasitas alimentados com açúcar, por exemplo
Saúde. Segundo a nutricionista Melina Batista, a nutrigenética também tem trabalhado com a “programação gestacional”. “Induz na mãe, por meio de ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante

Jornal de Saúde informa

Férias escolares: momento importante para atualizar a caderneta de vacinação das crianças e adolescentes

Rio de Janeiro, novembro de 2018  – Férias escolares, viagens, família reunida e festas de fim de ano. Além de todas essas comemora...

Jornal de Saúde