terça-feira, 14 de junho de 2016

Supremo Tribunal Federal e seus juízes controversos ainda vão parar a Lava Jato com decisões que protegem mau feitores

Esses juízes estão contra a operação Lava Jato, olha que são eles que vão parar uma das maiores Operações contra a corrupção no Brasil. Tudo indica que as decisões desses senhores são de proteger criminosos contumazes da República brasileira. Ninguém sabem se por medo, conveniência ou mesmo até ganhos futuros.


leia mais http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/06/1781700-teori-nega-prisao-de-renan-juca-e-sarney-pedida-por-janot.shtml

Cientista pública cérebro humano de centro de estudo de doenças de Mal de Parkinson e Alzheimer

Cérebro humano é divulgado por cientista em centro que estuda o Mal de Alzheimer e Mal de Parkinson. Há ligeira semelhança com a noz aberta, sem casca. Também esclarece a dúvida que haveria várias partes do cérebro. A olho nú podemos ver nitidamente que há dois hemisférios o direito e o esquerdo realmente, pois há uma fenda visível que parece dividir o cérebro. O que seria inteiramente lógico devido as mãos e os lados esquerdo e direito do corpo humano, como membros superiores e inferiores.

O cérebro para a medicina tradicional oriental, não ocidentalizada, é a ramificação dos rins, ou os rins é a ramificação dos cérebro. Na evolução do feto poderíamos afirmar talvez que quem primeiro é criado, gestado é o cérebro e depois se abre para as demais parte do corpo numa simultaneidade. Essa afirmação milenar se faz devido o mesmo material da medula óssea e dos rins ser encontrado no cérebro. Portanto, é comum pensar assim que os rins que guarda a vitalidade do homem e da mulher está interligado com a médula óssea que por sua vez com o cérebro, interagindo o tempo todo. 

Em São Paulo são oficialmente 5 mortos moradores de rua por causa do frio e descaso


EXAME.com
Sobe para cinco número de moradores de rua mortos pelo frio em SP
A Secretaria Municipal de Saúde informou que apura eventuais falhas no atendimento do Samu ao chamado para socorrer um morador de rua na rua ...
Google Plus Facebook Twitter Sinalizar como irrelevante

Curso de Gestão de Resíduos no CRQ conta com especialistas referência na área


Experiência de integrantes do CRQ – IV, ABNT, INMETRO e OAB são diferenciais diante dos programas oferecidos pelo mercado de cursos. Estudos de casos, conceitos e normas estão entre os tópicos do conteúdo para formar e atualizar os conhecimentos.
A Comissão de Meio Ambiente do Conselho Regional de Química - IV Região (CRQ-IV), em parceria com o Sindicato dos Químicos, Químicos Industriais e Engenheiros Químicos do Estado de São Paulo (Sinquisp), promove nos dias 27 e 28 de junho o curso Gerenciamento de Resíduos, na sede em São Paulo – SP. Profissionais que são referência no tema e conhecidos pela contribuição junto aos órgãos ambientais e entidades reguladoras representam um importante diferencial no material a ser exposto. O curso é apostilado e o certificado é emitido pelo CRQ.
Como entidade representativa do setor dedicada a oferecer formação completa e eficaz, o CRQ reúne os especialistas Flávio Luis A. Bragante, graduado pela Unicamp, membro da Comissão de Meio Ambiente do CRQ-IV e diretor da Faex Soluções Ambientais; Glória Santiago Marques Benazzi, graduada em Engenharia Química e Administração de Empresas, com atuações no Inmetro e atualmente é Diretora Secretária do CB-16 da ABNT; e Suely de Camargo, pós-graduada em Direito Ambiental e Gestão da Qualidade, consultora na área de Desenvolvimento Sustentável da OAB/SP e da Comissão de Meio Ambiente do CRQ-IV. “Consideramos que é sempre válido compartilhar nossa vivência, no empenho de subsidiar os profissionais e as indústrias comprometidos com as práticas sustentáveis, para além de uma ação responsável, mas também uma forma de mostrar o quanto a destinação correta pode ser compensadora para o negócio, na medida em que evita multas e outros gastos”, afirma Flávio Luis Bragante (www.faex.com.br).
O programa do curso foi elaborado para proporcionar conhecimento pleno, por meio de estudo de casos, tratando de conceitos e de como destinar os resíduos, atentando para a responsabilidade ambiental de acordo com as normas legais vigentes, passivos ambientais, transporte de cargas perigosas, entre outros assuntos. O conteúdo também tratará de legislação, normas e regulamentos técnicos dos resíduos, além de um panorama dos resíduos no Brasil.
Todos os tópicos contemplados na programação estão descritos no site do CRQ – IV (http://goo.gl/tbvLCn) e as inscrições podem ser feitas até 20 de junho. Dúvidas e informações adicionais podem ser solucionadas junto ao Sinquisp, pelo e-mail cursos@sinquisp.org.br ou pelo telefone (11) 3289-1506, das 9h às 16h.
 
Serviço
Curso Gerenciamento de Resíduos – CRQ – IV Divisão
Data: 27 e 28/06/2016 - das 8h às 17h
Local: Sede do CRQ-IV - Rua Oscar Freire, 2039 – São Paulo/SP

Aposentadoria: um gargalo da saúde humana


Beny Schmidt *



Para um cientista ou pesquisador que conhece a patologia muscular, a aposentadoria simplesmente não existe. Como bem se sabe, os idosos que param de trabalhar normalmente adoecem e vão a óbito precocemente. A patologia muscular é categórica neste assunto. Primeiro, porque o princípio de qualquer ser vivo é o movimento. Segundo, porque a inatividade cursa com atrofia muscular, especialmente nos humanos, das fibras musculares do tipo 2. Além do trabalho, os idosos (pessoas com mais de 60 anos) deveriam praticar atividades físicas aeróbicas, para manter o metabolismo das fibras do tipo 1, e anaeróbicas, para as fibras do tipo 2.

Se fosse bem assimilado por nós, este simples conceito da patologia muscular poderia resolver o problema de centenas de países que já não conseguem fechar a conta com os aposentados e que, com o aumento da população mundial de idosos, se transformarão em um sistema caótico, produtor de moléstias e de desperdício de dinheiro público.

Filosoficamente, nós sabemos também, em relação à felicidade humana, que não basta só amar, é preciso trabalhar. Foi a natureza que nos fez assim. Ela não aprova a inatividade e exige de nós criação e trabalho até o último segundo de nossas vidas.

Em resumo, os sistemas públicos de saúde teriam duas extraordinárias vantagens. Primeiro, com o fim da aposentadoria indiscriminada. Segundo, com a apologia ao trabalho, diminuiríamos a sinistralidade por conta do declínio da incidência das mais variadas doenças, contribuindo para uma sociedade sã e feliz.

Emprego futuro: Fiocruz lança edital para 21 vagas de nível intermediário

Fiocruz lança edital para 21 vagas de nível intermediário
Inscrições começam em 4 de julho

A Fundação Oswaldo Cruz publicou, nesta terça-feira (14/6), o primeiro edital do concurso público para preenchimento de 150 vagas de níveis intermediário e superior. O edital oferta 21 vagas para o cargo de Assistente Técnico em Gestão de Saúde. Pela primeira vez, a Fiocruz oferecerá reserva de cotas para negros e pardos. Além disso, o candidato poderá ser inscrever com seu nome social. O período de inscrição é de 4/7 até 8/8 e o valor da inscrição é de R$ 70.
As 21 vagas de nível intermediário serão divididas entre as unidades da Fiocruz no país, sendo 14 para o Rio de Janeiro, duas para Manaus, uma para Belo Horizonte, uma para Brasília, uma para Curitiba, uma para Recife e uma para Salvador.
A seleção será por meio de prova objetiva de língua portuguesa, raciocínio lógico e conhecimentos específicos do perfil. As provas serão aplicadas nas capitais em que estão destinadas as vagas na data provável de 25/9.
As inscrições devem ser realizadas na página http://concurso.fiotec.fiocruz.br, no período de 4/7 a 8/8. A organização do concurso disponibilizou canais oficiais de comunicação que podem ser acessados pelo e-mail concurso@fiotec.fiocruz.br ou pelo telefone (21) 2209-2279, no período de 9h às 17h.
O vencimento básico do cargo no nível inicial é de R$ 2.313,61, acrescido de auxílio alimentação no valor de R$ 458, gratificação de produtividade (80 pontos) no valor de R$ 647. O vencimento é acrescido ainda de uma gratificação de qualificação que varia conforme entre R$ 452 a R$ 1.762.
A Fundação Oswaldo Cruz publicará ainda editais para os cargos de Técnico em Saúde Pública (61 vagas de nível intermediário), Especialista em Ciência e Tecnologia, Produção e Inovação em Saúde Pública (10 vagas de nível superior) e Pesquisador em Saúde Pública (61 vagas de nível superior).
Serviço
Concurso para o cargo de Assistente Técnico em Gestão de Saúde (Nível intermediário)
Leia o edital.
Período de inscrição: de 4/7 a 8/8
Valor: R$ 70
Vagas:
Cidade
Ampla Concorrência
Reserva para deficientes
Reserva para negros
Rio de Janeiro
9
1
4
Manaus
2
-
-
Curitiba
1
-
-
Belo Horizonte
1
-
-
Recife
1
-
-
Salvador
1
-
-
Brasília
1
-
-
Tabela de gratificação por Qualificação (GQ)
GQ 1: R$ 452 para cursos de 180 horas
GQ 2: R$ 497 para cursos de 250 horas

Coordenadoria de Comunicação Social da Fiocruz
ccs@fiocruz.br

Campanha Junho Vermelho incentiva novos doadores

Campanha Junho Vermelho incentiva novos doadores
No Dia Internacional do Doador de Sangue, as luzes vermelhas iluminando prédios e monumentos públicos estão sensibilizando a consciência de pessoas para a importância de solidarizar-se com seus semelhantes nas questões de saúde
Essa bolsa de sangue salva uma vida
A campanha Junho Vermelho realizada há dois anos pelo Movimento Eu dou Sangue pelo Brasil tem conquistado cada vez mais novos doadores pelo Brasil. Embora não haja oficialmente um número exato de pessoas que se juntaram ao grupo, há relatos de homens e mulheres que passaram a ir aos bancos de sangue sob influência dessa iniciativa. O Movimento, porém, já observou que neste período de inverno quando costumava cair o volume da coleta em 30%, depois dessa ação, os números não só voltaram ao normal, mas têm aumentado em mais 30%. Mesmo assim, em valores globais ainda o que é coletado é pouco. Hoje, o Dia Internacional do Doador de Sangue, deve incentivar muitos novos doadores, na opinião dos dirigentes da campanha.
A diretora administrativa de uma rede de cinemas, Beatriz Schimidt, foi uma das pessoas que ficaram estimuladas a procurar um banco de sangue com mais frequência. “Eu até doava eventualmente, mas fiquei muitos anos sem fazer isso. Quando vi a campanha em toda a cidade fiquei inspirada e retomei esse hábito”, conta ela. 
O incentivo surgiu depois também que levou sua filha para um exame de sangue e a enfermeira brincou dizendo que tinha uma boa veia para aquele procedimento. “Naquela mesma semana eu fui com um amigo ao hospital e fizemos daquela ocasião um programa social. Esse tido de atitude pode até virar um programa de família se todos forem juntos”, sugere ela.
Na opinião de Beatriz, as pessoas precisam tirar da cabeça que a doação de sangue é complicada, porque na verdade é um procedimento simples, exige pouco tempo, no máximo meia hora e não doi. 
Segundo a executiva, ela faz a doação apenas num hospital, geralmente na hora do almoço, porque não precisa marcar hora. Garante que volta a trabalhar no mesmo dia. Beatriz descreve que já se condicionou a ir a cada quatro meses ao hospital. “Doar sangue é tão simples e quase não produz reação. Passo o resto do dia muito bem. Talvez aqueles trabalhadores que façam esforço físico possam ter mais dificuldades, mas às vezes falta apenas um empenho a mais para as pessoas”, observa ela.
A publicitária Shirley Man foi outra brasileira que ficou animada a doar sangue. Ela tem uma amiga cujo familiar precisou certa vez de transfusão e então começou a fazê-lo naquele período. A partir da realização da Junho Vermelho passou a doar sangue geralmente a cada quatro meses. “Eu me programo quando vou ao médico no hospital ou quando levo um dos meus filhos. A gente passa pela consulta ou acompanha a consulta e depois vou ao banco de sangue”, conta.
Ela afirma que a sensação é muito boa porque cria a percepção de transmitir conforto e bem-estar ao próximo e de ter feito o bem. Shirley entende que mesmo por alguma razão se a pessoa não puder realizar a doação na hora do procedimento, por alguma razão médica, só a intenção já seria uma importante  atitude de solidariedade. “Ninguém gosta de agulha, mas para mim virou uma prática”, diz. 
A coordenadora geral da campanha Junho Vermelho, Debi Aronis, lembra que o interesse tem crescido e mobilizado muitas pessoas. “As adesões à iniciativa têm vindo de todos os lados, sejam de grupos de amigos, grupos de trabalho de empresas e até de associações religiosas. Quem puder deve doar sangue pelo Brasil”, expõe ela.
Para alguns estudiosos, no entanto, o País não adquiriu ainda a cultura da doação de sangue, talvez porque, por sorte do destino, não tenha convivido com terremotos, furações, guerras e outras grandes tragédias como acontecem em vários países. No entanto, a prática da doação de sangue precisa ser incentivada sempre em razão das reservas desse líquido vital quase sempre ficarem com baixo volume durante o ano.  
PARA DOAR SANGUE VOCÊ DEVE:
·       Portar documento oficial de identidade com foto (RG, Carteira Profissional, Carteira de Habilitação);
·       Ter entre 16 e 69 anos de idade*, sendo que a primeira doação deve ter sido feita até 60 anos;
·       Pesar acima de 50 quilos;
·       Estar em boas condições de saúde;
·       Estar alimentado, porém tendo evitado refeições pesadas (gordurosas) nas 3 horas que antecedem a doação.
OBS: Os doadores menores de 18 anos, acompanhados do responsável legal, devem levar o original e cópia simples de seu documento de identidade, cópia simples do documento de identidade do responsável legal e preencher a autorização para doação de sangue no momento da doação.

Quando acompanhado por um adulto, que não o responsável, deverá levar a autorização assinada pelo responsável legal, com firma reconhecida em cartório e a cópia do documento de ambos (doador e responsável legal).
O documento de autorização pode ser retirado no posto de coleta.
PARA
DOAR SANGUE VOCÊ NÃO DEVE:
·       Ter risco acrescido para doenças transmissíveis pelo sangue (usuário de drogas injetáveis e inalatórias, prática de sexo não seguro e vários parceiros sexuais ou ser parceiro sexual de portadores de Aids ou Hepatite).
QUAL O INTERVALO ENTRE AS DOAÇÕES?
·       Homens podem doar a cada 2 meses, até no máximo 4 vezes no período de 12 meses;
·       Mulheres podem doar a cada 3 meses, até no máximo 3 vezes no período de 12 meses;

Tecnologia: Aplicativo desenvolvido na Univap auxilia no tratamento de doenças respiratórias



Objetivo do projeto foi aplicar tecnologias móveis a favor da saúde

Um aplicativo, desenvolvido para o iPhone (smartphone da Apple) e voltado a pacientes com disfunção pulmonar restritiva (com dificuldade de expansão pulmonar) foi o projeto de doutorado apresentado pela professora e doutoranda Alessandra de Almeida Fagundes, da Universidade do Vale do Paraíba (Univap).

“Este projeto foi motivado pelo desejo de aplicar tecnologias móveis a favor da saúde, procurando inserir pacientes e terapeutas em um contexto de interatividade a fim de incentivá-los a realizarem os exercícios respiratórios, garantindo maior adesão ao tratamento. A ideia surgiu a partir das observações em minha prática clínica e do desejo de motivar, principalmente, as crianças atendidas no setor de fisioterapia respiratória da Faculdade de Ciências da Saúde da Univap”, conta Alessandra.

Para isso, ela, em parceria com um grupo de pesquisa da universidade e com a empresa Babs2go, desenvolveu um aplicativo que possibilita realizar exercícios respiratórios de forma interativa. Por meio do aplicativo, quando o paciente respira (fase da inspiração) um módulo visual simula na tela a elevação de bolinhas. Quanto mais o paciente respira, mais as bolinhas se elevam. O objetivo é que o paciente eleve as bolinhas até o alto e sempre que ele atingir essa meta ele passa para outra fase, com aumento do ‘peso das bolinhas’ (nível de dificuldade) com consequente aumento do esforço.

O design do aplicativo é semelhante ao das ferramentas disponíveis atualmente no mercado, porém com algumas vantagens adicionais tais como o registro do histórico das sessões, a estatística de desempenho e a possibilidade de expansão desses recursos.

Além disso, o design do aplicativo permite diferentes níveis de dificuldade (mais de 100 níveis para cada uma das bolinhas), o que permite ampliar sua aplicação atendendo desde pacientes com dificuldades respiratórias até atletas profissionais. “Em contraposição, os equipamentos tradicionais normalmente apresentam somente três níveis de dificuldade”, explica.

O aplicativo já foi testado em pessoas saudáveis e em pacientes com disfunção pulmonar restritiva e os resultados são promissores em comparação aos dos aparelhos disponíveis hoje no mercado. Foram observados aumento da força muscular respiratória e melhora na expansão pulmonar após o uso do aplicativo.

Esse projeto levou quatro anos para ser desenvolvido e a intenção da fisioterapeuta e pesquisadora, Dra. Alessandra, é de disponibilizar essa ferramenta na AppStore, assim que concluída a fase final de controle de qualidade e de avaliação pela Apple. 
 

Doenças imunopreviníveis como Hepatite A e as "Avós da Experiência"

GSK lança campanha “Avós da Experiência”
Hepatite A é a primeira doença abordada na série de vídeos sobre doenças imunopreveníveis que podem acometer as crianças.

Rio de Janeiro, junho de 2016 - A GSK acaba de lançar a campanha “Avós da Experiência” composta por seis vídeos abordando as formas de prevenção das principais doenças que podem acometer as crianças. A série apresenta um núcleo familiar, em que os jovens pais recorrem à experiência das avós na hora de tirar dúvidas e pedir conselhos. 

“A campanha visa a conscientização da população em relação a sintomas, formas de contágio e prevenção de algumas das doenças que podem ocorrer desde a infância. Na série os pais sempre contam com a experiência das queridas vovós, que hoje em dia estão super antenadas, e usam e abusam da tecnologia para se informar”, conta Isabel Lopes, gerente médica de vacinas da GSK no Brasil.
O primeiro vídeo da série é sobre Hepatite A, doença que no Brasil alcançou 6.000 casos em 2014. Houve um decréscimo no número de casos diagnosticados anualmente a partir de 2005, ano com o maior número de casos (21 mil) na série desde o ano 2000. Essa redução pode ser atribuída à melhoria do sistema de saneamento básico e de oferta de água tratada no país. A infecção ocorre principalmente antes dos 10 anos de idade em todo o país, e o pico no número de casos, para ambos os sexos, se dá entre 5 e 6 anos de idade1.
A doença é transmitida por via fecal-oral (ânus-boca), de pessoa para pessoa e pela ingestão de água e alimentos contaminados. Prevalece em locais com condições de higiene e sanitárias inadequadas, como algumas regiões brasileiras menos desenvolvidas e com oferta de água e esgoto mais restritas. Além disso, as viagens aumentam o risco de exposição a esse vírus2.
Os sintomas são febre, dor abdominal, pele e olhos amarelados, falta de apetite, entre outros. Já as formas de prevenção são: higienizar bem os alimentos, beber água filtrada e lavar as mãos com frequência, bem como a manutenção do calendário de vacinação em dia2. A vacina hepatite A é recomendada pela Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) a partir de 1 ano de idade3.
A série conta ainda com filmes sobre coqueluche, catapora, caxumba, meningite e sarampo, que serão lançados um a cada mês ao longo de 2016.

Segue o link com vídeo da campanha: https://www.youtube.com/watch?v=1TBpxEIAkks

Cardiologistas de Minas Gerais se reúnem para discutir Estimulação Cardíaca Artificial



Será realizado nos dias 17 e 18 de junho, em Itajubá, Minas Gerais, mais um PRONE - Programa Nacional de Ensino da ABEC/DECA - Associação Brasileira de Arritmia, Eletrofisiologia e Estimulação Cardíaca Artificial/Departamento de Estimulação Cardíaca Artificial.

A iniciativa tem o objetivo de levar mais conhecimento sobre temas relacionados a Estimulação Cardíaca, Arritmias, Insuficiência Cardíaca e Morte Súbita para os profissionais que atuam no interior do país e que nem sempre têm a possibilidade de participar de congressos e cursos de reciclagem.

Voltadas para cardiologistas, clínicos, residentes, estudantes de medicina e outros profissionais da saúde, as aulas serão realizadas no Auditório Albert Sabin da Faculdade de Medicina de Itajubá. Na sexta-feira, dia 17, a programação irá das 19h às 22h. Já no dia seguinte começará às 8h e terminará às 13h.

Com coordenação do dr. Antonio Carlos Assumpção, o conteúdo será dividido em três módulos, Conceitos Básicos, Dispositivos Cardíacos Implantáveis e Arritmias – Tratamento Clínico e Invasivo. A programação incluirá palestras, discussões de casos clínicos e sessões de autógrafos.

Os debates envolverão alguns dos principais especialistas do Brasil em Estimulação Cardíaca Artificial e são uma oportunidade única de aprofundamento neste segmento. Em seis anos, mais de 2500 profissionais, em 25 cidades, já participaram do Programa Nacional de Ensino da ABEC/DECA

Dieta sem glúten e suas evidências científicas



Renata Furlan Viebig
A Doença Celíaca (DC) é uma enfermidade autoimune desencadeada pela ingestão de cereais que contêm glúten, especialmente o trigo e seus subprodutos, além de aveia, centeio, cevada e malte, por indivíduos geneticamente predispostos. Para que a doença se expresse, além do consumo do glúten e da suscetibilidade genética, é também necessária a presença de fatores imunológicos e ambientais.
Mundialmente, a DC é considerada problema de saúde pública devido à sua prevalência e à frequência de sintomas que impedem que o indivíduo tenha um cotidiano normal. A DC não tratada pode levar complicações graves, principalmente osteoporose e doenças malignas do trato gastrointestinal.
A exclusão do glúten da dieta destes pacientes não cura a DC, mas a mantém em remissão clínica, ou seja, há melhora de sinais e sintomas e a doença para de progredir. A substituição dos alimentos com glúten na dieta pode ser realizada utilizando-se milho, fubá, arroz, batata, mandioca, polvilho, soja, quinua e suas farinhas, porém, o número de produtos prontos oferecidos para a população celíaca ainda é pequeno, principalmente fora dos grandes centros urbanos, o que dificulta o seguimento da dieta.
Além disso, rotulagem incorreta e possíveis contaminações por glúten durante o processo de fabricação de alimentos (manuseio, processamento em maquinário e equipamentos, transporte e estocagem incorretos) podem aumentar as chances de transgressões alimentares involuntárias.
Pacientes com DC podem desenvolver quadros graves mesmo quando em contato de traços de glúten em alimentos e assim, garantir uma dieta absolutamente isenta de glúten é praticamente impossível, considerando-se a ocorrência de, ao menos, um grau mínimo de contaminação na alimentação diária.
Dessa forma, o paciente deve sempre conhecer os ingredientes que compõem as preparações alimentares e fazer leitura minuciosa dos ingredientes listados nos rótulos de produtos industrializados. Isto se agrava quando se trata do público infanto-juvenil, uma vez que ainda não estão alfabetizados. 
Quando consomem glúten normalmente, os pacientes com DC podem apresentar alterações nas funções do intestino e prejuízo na absorção de nutrientes, ou seja, o consumo de glúten leva estes pacientes à desnutrição e emagrecimento não intencional. Quando estes mesmos pacientes excluem completamente o glúten da dieta, voltam a ganhar peso e se recuperam.
Na contramão do que ocorre com o paciente com DC, recentemente, alguns profissionais da área de saúde e, em especial, a mídia e as redes sociais, têm sugerido que uma dieta isenta de glúten pode levar ao emagrecimento de pacientes sem DC, além de outros possíveis benefícios. Há publicações e livros com títulos bastante chamativos como “Barriga de glúten”, as quais vem sendo comercializadas livremente e a população cobra um posicionamento dos profissionais nutricionistas a respeito destas práticas.
Por outro lado, pesquisas realizadas nos últimos anos mostraram que, além de não ocorrer o emagrecimento na maior parte dos indivíduos em dieta GF, muitos ainda ganharam peso, pois substituem alimentos como pão, macarrão e biscoitos por outros alimentos de maior valor calórico. Além disso, produtos de panificação sem glúten são pobres em fibras e contém mais gorduras e açúcares.
No último dia 25 de março de 2016, a Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição – SBAN publicou sua posição a respeito da adoção de dietas sem glúten ou gluten free (GF), com base em uma análise crítica da literatura disponível.  A principal conclusão dos pesquisadores foi de que não há evidências suficientes para supor que indivíduos saudáveis possam extrair qualquer benefício de uma dieta GF.
Além disso, dados das pesquisas avaliadas indicam que mesmo indivíduos com doença celíaca que tenham sobrepeso não perdem peso ao adotar dietas GF e que estudos experimentais recentes mostraram possíveis efeitos deletérios da alimentação GF sobre a microbiota intestinal (antigamente flora intestinal) de indivíduos saudáveis.
Antes mesmo deste posicionamento, em 2014, o Conselho Regional de Nutricionistas da terceira região, que integra o Estado de São Paulo, publicou nota oficial na qual restringe os Nutricionistas a prescreverem dietas sem glúten apenas para pacientes com DC previamente diagnosticada, sob pena de infração do Código de ética profissional e penalidades previstas neste documento. 
Renata Furlan Viebig é professora de nutrição da Universidade Presbiteriana Mackenzie

No Amazonas: Bebê que foi mordido pelo padastro pode ter pênis amputado, diz polícia e outras


Jornal Extra
Bebê que foi mordido pelo padastro pode ter pênis amputado, diz polícia
De acordo com informações da Secretaria de Saúde do Estado do Amazonas, de acordo com o último boletim médico divulgado, o estado de saúde ...
Google Plus Facebook Twitter Sinalizar como irrelevante


jornal de saude
Atualização assim que ocorre 14 de junho de 2016


NOTÍCIAS


Globo.com

OMS: doações de sangue precisam aumentar em mais da metade dos países
No Dia Mundial do Doador de Sangue, celebrado hoje (14), a Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta que as doações voluntárias e não ...
Google Plus Facebook Twitter Sinalizar como irrelevante


OMS retira de reunião cientista que pediu cancelamento da Olimpíada
A Organização Mundial da Saúde (OMS) retirou de sua reunião de emergência sobre o vírus zika um dos especialistas que criticou a entidade e ...
Google Plus Facebook Twitter Sinalizar como irrelevante 

jornal de saude
Atualização assim que ocorre 14 de junho de 2016


NOTÍCIAS

Organizações sociais de saúde do Rio não cumprem metas de gestão
RIO - A Comissão de Tributação, Controle da Arrecadação Estadual e de Fiscalização dos Tributos Estaduais da Assembleia Legislativa do Rio ...
Google Plus Facebook Twitter Sinalizar como irrelevante



EXAME.com

Fazenda quer revogar ampliação progressiva de recursos para Saúde na PEC do teto
O texto da Proposta à Emenda à Constituição (PEC) que limita o teto de gastos públicos, a que o jornal O Estado de S. Paulo teve acesso, ainda ...
Google Plus Facebook Twitter Sinalizar como irrelevante



Jornal O Globo

Explosão de obesidade no mundo impulsiona má nutrição, diz estudo
RIO- O relatório Global de Nutrição 2016 divulgado nesta terça-feira traz uma dado alarmante. A pesquisa indica que cerca de 44% dos 129 países ...
Google Plus Facebook Twitter Sinalizar como irrelevante


ANS decreta portabilidades extraordinária e especial para três operadoras
RIO - Para garantir a continuidade da assistência à saúde, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) determinou portabilidades ...
Google Plus Facebook Twitter Sinalizar como irrelevante 

Jornal de Saúde informa

Vamos estudar2: O ALEITAMENTO MATERNO: A IMPORTÂNCIA DA AMAMENTAÇÃO NA SAÚDE DA MÃE E DO BEBÊ

[PDF]   O ALEITAMENTO MATERNO: A IMPORTÂNCIA DA AMAMENTAÇÃO NA  SAÚDE  DA MÃE E DO BEBÊ AADEO ARAÚJO - 2018 …...

Jornal de Saúde